Mortes violentas

Dois latrocínios em menos de 24h na Ilha

Um dos casos ocorreu na Jordoa; segundo a SSP, 25 pessoas já foram assassinadas neste mês

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h17
José Ricardo está recolhido no Complexo Penitenciário de Pedrinhas
José Ricardo está recolhido no Complexo Penitenciário de Pedrinhas (Pedrinhas)

São Luís - Dois casos de latrocínio (roubo seguido de morte) ocorreram em um intervalo de 24 horas na Grande Ilha. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), 25 pessoas já foram mortas a tiros ou por arma branca neste mês, uma média de um assassinato por dia.

Ainda ontem a polícia encaminhou José Ricardo de Paula Silva, de 23 anos, para o Complexo Penitenciário de Pedrinhas, onde vai ficar recolhido à disposição do Poder Judiciário. De acordo com a polícia, na noite do último dia 22, ele tentou roubar o veículo de Lídio José de Carvalho, de 49 anos, na Jordoa.

A vítima estava na porta de sua residência, quando foi atacada pelo criminoso, que tinha uma arma de fogo. Houve luta corporal. Lídio José foi baleado e morreu no local. A Polícia Militar foi acionada e efetuou a prisão do suspeito em flagrante.

José Ricardo foi levado para a sede da Superintendência de Homicídio e Proteção a Pessoas (SHPP), na Avenida Beira-Mar, onde foram tomadas as devidas providências. Há informações que ele pode ter cometido outras ações ilegais, que estão sendo investigadas.

O outro caso de latrocínio ocorreu durante a noite de segunda-feira, 21, nas proximidades da Beira-Rio, em Paço do Lumiar, e teve como vítima Wellington Racidy Ribeiro, de 46 anos. A polícia informou que a vítima estava transitando de motocicleta, quando foi abordada por criminosos.

Ela reagiu ao assalto e foi atingida a tiros no abdômen, sendo socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Mas morreu a caminho do hospital. Os bandidos fugiram, levando sua motocicleta. O caso também está sendo investigado pela equipe da SHPP.

Mais morte
Um preso, identificado como Maciel, morreu no dia 22, no Hospital Municipal de Imperatriz (HMI) de traumatismo crânio encefálico. De acordo com a polícia, no dia 19 deste mês, ele teria tido um surto e desferiu um golpe de faca na sua própria genitora.

A vítima foi levada para o hospital, onde passou por tratamento cirúrgico e não corre mais risco de morte. O suspeito foi preso em flagrante pelo crime de tentativa de homicídio e encaminhado para a Unidade Prisional de Ressocialização de Imperatriz (UPRI).

Ainda segundo a polícia, na segunda-feira, 21, ele, mais uma vez, teria tido um surto e bateu com a cabeça nas grades e nas paredes da cela. Foi levado para o hospital e no dia 22 veio a falecer. O corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) para ser autopsiado e, logo após, liberado para os familiares.

Cercos policiais
Um total de 11 prisões foram realizadas pela Polícia Civil durante os últimos três dias na Grande Ilha. Ainda na quarta-feira, 23, duas pessoas foram presas no decorrer da Operação Parque Seguro e suspeitas de integrar facção criminosa e roubo.

A polícia informou que os detidos em companhia de outros faccionados são acusados de assaltarem uma residência, na capital, ocorrido no dia 24 de outubro deste ano. No decorrer da ação criminosa, eles agrediram os moradores, entre os quais, uma criança, de 9 anos. Ela foi jogada de um muro de mais de três metros de altura.

No último dia 22, a polícia prendeu seis criminosos. Um dos presos responde pelo crime de feminicídio, ocorrido em 2012, no Bairro de Fátima. No dia anterior, foram presas três suspeitos de roubo a residência, tráfico de droga e homicídio. A polícia informou que o assassinato ocorreu no bairro no Pontal da Ilha.

SAIBA MAIS

Mortes violentas na Ilha neste mês

Homicídio: 22 casos
Latrocínio: 2 casos
Confronto com a polícia: 1 caso

Fonte: SSP

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.