Polícia | Criminalidade

Polícia investiga mais um caso de morte no Campus da UFMA, no Bacanga

Uma mulher, com marcas de agressão foi encontrado morta, ontem; em menos de quatro anos, casos de morte e violências sexual ocorreram na área da Universidade Federal
Ismael Araújo14/05/2019
Rosiane Costa, cujo corpo foi encontrado ontem na área do Campus da UFMA

SÃO LUÍS - A polícia registrou em menos de quatro anos ocorrências de assassinato, atropelamento com morte e casos de violência sexual dentro do Campus da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), no Bacanga. Ainda ontem foi achado o corpo de Rosiane Costa, de 45 anos, nas imediações do prédio da TV UFMA e do Centro de Ciências Sociais (CCSO). A vítima, que segundo a polícia era professora na zona rural de Alcântara, pode ter sido morta por espancamento já que havia marcas de agressão por todo o corpo, principalmente na cabeça.

Policiais militares e civis e peritos do Instituto de Criminalística (Icrim) estiveram no local. O delegado Arthur Benazzi, da Superintendência de Homicídio e Proteção a Pessoas (SHPP), disse à Rádio Mirante AM que funcionários da limpeza da universidade encontraram o cadáver e acionaram a polícia. Segundo a delegada Viviane Fontenelle, uma das linhas de investigação é que o crime teria sido feminicídio, por causa das condições em que a vítima foi achada.

Ao lado do corpo havia um vestido rasgado, um short rosa e pedaço de papel higiênico. Os peritos do Icrim constataram marcas de violência, principalmente na cabeça. O crime pode ter ocorrido na madrugada de ontem devido ao estado de rigidez cadavérica.

O delegado informou que não descarta a possibilidade de a vítima ter sido agredida dentro de um veículo e, em seguida abandonada na área da universidade sem vida. O corpo dela foi removido para o Instituto Médico Legal (IML), no Bacanga, para a autópsia e até o fim da tarde de ontem estava sem identificação. “A polícia vai solicitar as imagens das câmeras de vídeo da universidade para contribuir com a investigação”, disse Arthur Benazzi.

Peritos examinam o corpo de Rosiane Costa, no local do achado

Atropelamento

No dia 17 de maio do ano passado outro caso de morte ocorreu na UFMA. Uma idosa, Maria Benedita Sanches Macedo, de 71 anos, foi atropelada ao cair de um coletivo da Empresa Taguatur, que fazia a linha Campus-Integração, de placas NMR-1655. O fato ocorreu próximo ao prédio do curso de Odontologia da universidade.

A vítima teve fraturas na perna direita e perdeu muito sangue. Os integrantes do Corpo de Bombeiros Militar e socorristas do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) prestaram os primeiros socorros à vítima, que foi conduzida ao Hospital Municipal Socorrão I, no centro, onde morreu.

A idosa fazia parte da Unidade Integrada da Terceira Idade (UNIT), que é um programa da UFMA de formação continuada que visa promover mudanças qualitativas no padrão de vida dos idosos. Ela ainda fazia parte do coral Canto de Luz e morava no bairro da Coheb-Sacavém.

Violência sexual

Dois casos de estupro foram registrados entre os dias 31 de março a 3 de abril do ano de 2017 dentro da universidade. Na noite do dia 3 de abril, uma estudante do curso de Economia, foi abordada por um criminoso armado dentro do coletivo e foi obrigada a descer do veículo nas proximidades do prédio Paulo Freire, no campus da universidade.

Logo depois, sob ameaça de morte, ela teria sido levada para uma área de matagal dentro da universidade onde foi violenta sexualmente e ainda teve objetos de valor roubados pelo criminoso. O caso foi registrado na Delegacia Especial da Mulher (DEM).

O outro caso ocorreu após uma calourada dos alunos da universidade, na noite do dia 31 de março. De acordo com a polícia, a vítima teria ingerido bebida alcoólica e foi violentada sexualmente em uma área de matagal dentro dessa instituição de ensino federal. O autor do crime não foi identificado.

Morte

Já em agosto de 2016, o estudante do curso de bacharelado interdisciplina em Ciência e Tecnologia da UFMA, Kelvin Rodrigues Ribeiro, de 22 anos, foi assassinado, a golpes de faca dentro de um dos banheiros da universidade.

De acordo com a polícia, Mailton Irapuã Cardoso, o Cabeça, de 23 anos, tentou roubar o celular do estudante. A vítima reagiu ao assalto e travou luta corporal com o bandido.

Durante a luta, o criminoso desferiu primeiramente os golpes de faca no abdômen da vítima e, logo em seguida, nas costas. O estudante morreu no local e o acusado fugiu sem levar o celular. A Polícia Civil investigou o caso e prendeu o acusado em cumprimento de uma ordem judicial.

Nota

A Universidade Federal do Maranhão (UFMA), por meio de nota, lamentou o ocorrido e informou que as Polícias Civil e Militar já estão investigando o caso. A Instituição, segundo a nota, está fornecendo as imagens das câmeras para colaborar na identificação do suspeito. A polícia ainda faz as análises para saber as causas do óbito e como o crime ocorreu.

Entenda

Ocorrências na UFMA em quatro anos

Dia 5 de agosto de 2016: o estudante do curso de bacharelado interdisciplina em Ciência e Tecnologia da UFMA, Kelvin Rodrigues Ribeiro, de 22 anos, foi assassinado a golpes de faca dentro de um dos banheiros da universidade.

Dia 31 de março de 2017: uma mulher violentada sexualmente após participar de calourada na UFMA

Dia 3 de abril de 2017: uma estudante do curso de Economia foi abordada por um criminoso armado dentro de um coletivo e foi obrigada a descer do veículo nas proximidades do prédio Paulo Freire.

Dia 17 de maio de 2018: a idosa Maria Benedita Sanches Macedo, de 71 anos, foi atropelada ao cair de um coletivo da Empresa Taguatur, que fazia a linha Campus-Integração, de placas NMR-1655, próximo ao prédio do curso de Odontologia da universidade e chegou sem vida no Socorrão I.

Dia 13 de maio de 2019: um corpo do sexo feminino encontrado com marcas de violência nas imediações do prédio da televisão da universidade e do Centro de Ciências Sociais (CCSO).

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte