Cidades | Desobediência

Número de infrações de trânsito em São Luís cai 56,9% em um ano

Transitar em velocidade superior à máxima permitida ainda é a desobediência mais comum. Por falta de fiscalização eletrônica, houve queda no registro do avanço em sinal vermelho.
Thiago Bastos / O Estado11/01/2018
Número de infrações de trânsito em São Luís cai 56,9% em um anoNúmero de multas de trânsito teve queda em São Luís (De Jesus / O ESTADO)

O número de infrações de trânsito em São Luís registrou uma queda de 56,9% entre os anos de 2016 e 2017. De acordo com dados do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), em um ano as ilegalidades nas ruas e avenidas da cidade passaram de 363.295 (em 2016) para 156.577 (em 2017). O trânsito em velocidade superior à máxima permitida em até 20% (com 68.306 casos) foi a infração mais comum no ano passado, em São Luís. A ausência de fiscalização eletrônica é o principal fator apontado para a queda nos dados.

Além desta infração, outras também foram consideradas comuns entre 1º de janeiro e 31 de dezembro do ano passado, como o “não-registro do veículo em 30 dias quando for transferida a propriedade do veículo” (8.108 infrações) e “conduzir o veículo registrado que não esteja devidamente licenciado”, com 7.446 infrações. Ainda segundo dados do Detran no estado, 5.428 motoristas foram flagrados na capital dirigindo veículo sem possuir a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) ou permissão para dirigir.

O quantitativo de infrações de trânsito na capital, São Luís, ainda é superior ao registrado em outras cidades do estado, como Imperatriz, por exemplo. A segunda cidade do Maranhão, em termos de importância econômica e social, registrou, em 2017, 32.098 infrações de trânsito. No município da Região Tocantina, o “trânsito em velocidade superior à máxima permitida em 20%” também foi considerado a infração mais comum.

Em São José de Ribamar, um dos municípios que integram a Região Metropolitana de São Luís, foram contabilizados 10.083 infrações somente no ano passado. No período, a principal infração foi o desuso do cinto de segurança por parte do condutor (1.467 casos). Outra ilegalidade comum no período na cidade balneária foi a direção do veículo sem a CNH (621 casos).

No estado
Ainda de acordo com dados do Detran, no total, foram registrados, em 2017, 467.681 infrações de trânsito no Maranhão. O saldo foi inferior ao registrado em todo o período de 2016, quando foram contabilizadas 1.075.620 infrações de trânsito. A desobediência à velocidade permitida ainda é o delito mais comum, em todo o estado.

Em 2018, ainda de acordo com o Detran, duas pessoas foram flagradas transitando em velocidade superior à máxima permitida no local. De acordo com o órgão, os casos aconteceram em São Luís.

Ausência de fiscalização gerou queda de multas

A quantidade de infrações por avan­ço de sinal vermelho na capital registrou queda, ainda com base nos dados do Detran, de 96,5% entre os anos de 2016 e 2017. De acordo com o órgão, enquanto em 2016 foram 41.376 casos, em todo o ano passado, foram flagrados apenas 1.442 motoristas cometendo o delito.

Uma das principais razões para a queda, além das campanhas de conscientização e maior rigor na punição aos infratores (já que a legislação prevê pena severa para quem desobedecê-la), foi a ausência da fis­calização eletrônica na cidade em boa parte do ano de 2017. Os antigos equipamentos que registravam as infrações de trânsito na cidade foram retirados em abril do ano passado, por desentendimento entre a empresa detentora do serviço, na ocasião, e a Prefeitura.

Após a saída da antiga empresa, o Município realizou procedimento para a escolha de uma nova mantenedora do serviço.

Números

Infrações de trânsito em São Luís
156.577 (2017)
363.295 (2016)
379.874 (2015)

Avançar o sinal vermelho do semáforo (61.685) – 2015
Avançar o sinal vermelho do semáforo (41.376) – 2016
Avançar o sinal vermelho do semáforo (1.442) – 2017

Fonte: Detran/MA

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte