Inves

Polícia suspende oitivas para analisar dados em caso de prefeito assassinado

Polícia Civil ainda deve colher outros 6 depoimentos após essa fase de análise dos dados já coletados. Delegado diz que foi crime de pistolagem.
Tátyna Viana/Imirante.com29/11/2018 às 15h03
Polícia suspende oitivas para analisar dados em caso de prefeito assassinadoDelegado Praxísteles Martins. ( Foto: Divulgação)

IMPERATRIZ - Desde o dia 11 de novembro, quando o corpo do prefeito Ivanildo Paiva foi localizado na zona rural de Davinópolis, a polícia civil ainda não chegou aos executores ou a quem teria encomendado o crime. Até agora 22 pessoas ligadas ao prefeito assassinado foram ouvidas, mas novos depoimentos estão temporariamente suspensos para que os já coletados sejam revistos com mais atenção aos detalhes.

Leia também:

Polícia conclui perícia em celular de prefeito assassinado

Corpo de prefeito assassinado é sepultado em Imperatriz

“Suspendemos a oitiva de testemunhas, a princípio, para que a gente possa analisar os dados trazidos nos inúmeros depoimentos que foram colhidos. Foram 22 depoimentos, todos eles bastante longos e com muitos detalhes, muitas informações, e a gente ainda tem algumas testemunhas a serem ouvidas, 6, no máximo 10, nessa primeira fase. No entanto a gente decidiu suspender esses depoimentos para que a gente possa trabalhar nessas informações e a partir da semana seguinte traçar outra fase da investigação, com intuito de aproximar mais dos executores do crime", disse o delegado Praxísteles Martins.

O delegado Jefrey de Paula, da Superintendência de Homicídios que veio da capital, ainda está na cidade dando suporte à equipe que investiga o caso. O titular da homicídios em Imperatriz reforçou que são pelo menos 2 executores que tiveram o retrato falado divulgado, e que a polícia não tem dúvida que foi um crime de pistolagem, mas continua trabalhando com 4 linhas de investigação, 2 delas mais fortes e prováveis.

Como é um crime que ainda não tem a autoria definida, a polícia não tem um prazo específico para enviar o inquérito à Justiça, mas os delegados que investigam o caso acreditam que após a análise dos depoimentos devem ter algo mais concreto, pelo menos com relação aos executores.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2018 - Todos os direitos reservados.