O Mundo | Reação

Artistas lideram boicote contra hotéis do sultão do Brunei

O ator George Clooney, o músico Elton John e a apresentadora Elle DeGeneres lideram cruzada contra o segundo monarca mais rico do mundo, há meio século no poder; lei islâmica determina o apedrejamento até a morte por sexo gay e adultério
07/04/2019 às 07h00
Artistas lideram boicote contra  hotéis do sultão do BruneiO sultão de Brunei, Hassanal Bolkiah, durante evento na quarta-feira (3) (AFP)

ESTADOS UNIDOS - A barbárie legitimada no pequeno sultanato de Brunei pela aprovação de novo Código Penal, que autoriza o apedrejamento até a morte de homossexuais, deflagrou uma vigorosa campanha de celebridades pelo boicote a nove hotéis luxuosos que pertencem ao sultão Hassanal Bolkiah.

A lei islâmica, ou sharia, sustenta este pacote de leis, que ainda prevê a amputação de mãos em caso de roubo e o açoitamento de mulheres que abortam. Como reação, o ator George Clooney, o músico Elton John e a apresentadora Ellen DeGeneres lideram a cruzada contra o segundo monarca mais rico do mundo, há meio século no poder, que ostenta uma fortuna pessoal avaliada em US$ 27 bilhões.

“Toda vez que nos hospedamos, fazemos reuniões ou jantamos em qualquer um desses nove hotéis, estamos colocando dinheiro diretamente nos bolsos de homens que escolhem apedrejar e chicotear até a morte seus próprios cidadãos por serem gays ou acusados de adultério", explicou George Clooney.

Da ONU e da Anistia Internacional vieram condenações. Universidades britânicas, como King’s College, Oxford e Aberdeen, estudam retirar títulos concedidos ao sultão, de 72 anos. Há meio século no comando do país, ele ostenta riqueza em propriedades e carros banhados a ouro. Desde 2014, ele vem intensificando também duras punições a homossexuais na monarquia de 430 mil habitantes.

Condenada à morte

A sharia ainda é aplicada em países como Afeganistão, Irã, Arábia Saudita e Paquistão. Um caso notório que despertou a comoção da comunidade internacional foi o da iraniana Sakineh Ashtiani, condenada à morte por apedrejamento, em 2006, acusada de adultério e conspirar para o assassinato do marido. Uma campanha internacional a salvou da execução. Mas, ainda assim, recebeu 99 chibatadas como punição.

O boicote à cadeia de hotéis do sultão surtiu algum efeito. Uma lista com a relação dos nove hotéis cinco estrelas dosultão é replicada com velocidade em mídias sociais. Depois da reação furiosa e da repercussão negativa, a maioria -- o Dorchester, em Londres, e o Beverly Hills, em Los Angeles, por exemplo - fecharam suas contas em redes sociais.

Quando as primeiras leis foram implementadas, em 2014, celebridades também lideraram campanha parecida. Mas os lucros da cadeia Dorchester só cresceram.

Por isso, é pouco provável que o boicote, apesar de chamar a atenção da comunidade internacional para as violações de direitos humanos, resulte na revisão do Código Penal, como pretendem seus defensores. A pressão de países vizinhos, compradores de petróleo e gás do Brunei, é que poderá, sim, desequilibrar esta balança.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte