Eleições 2018

Ciro Gomes critica acordo do PT com o PSB

Presidenciável pelo PDT fez críticas durante o anúncio de sua candidata a vice, senadora Kátia Abreu; PSB fechou acordo com petistas de não apoiar qualquer candidato a Presidência da República em troca de apoio do PT nos estados

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h29
Ciro Gomes classificou de "acordo de gabinetes" acerto entre PT e PSB
Ciro Gomes classificou de "acordo de gabinetes" acerto entre PT e PSB (Ciro Gomes)

Brasília – O candidato do PDT à presidência da República, Ciro Gomes, criticou nesta segunda-feira, 6, o acordo que o PSB fez com o PT para não apoiar nenhum candidato à Presidência da República. Em troca, o PT se comprometeu a apoiar candidatos do PSB em disputas de governos estaduais.

A aliança com o PSB era disputada por diversas candidaturas à Presidência. A oficialização do partido de que não apoiaria oficialmente nenhum candidato veio no domingo, 5, dias depois do acordo com o PT.

O principal ponto de interesse do PSB na negociação é a eleição ao governo de Pernambuco. O partido tentará reeleger o governo Paulo Câmara e pediu ao PT para retirar a candidatura de Marília Arraes.

Em Minas Gerais, por conta da aliança, a direção nacional do PSB retirou a candidatura ao governo de Márcio Lacerda, para não rivalizar com o petista e candidato à reeleição Fernando Pimentel. O diretório estadual do PSB de Minas queria a candidatura de Lacerda.

“As estruturas estão querendo jogar o jogo dentro de gabinetes. E dali jogando cartas, excluindo da opção da população candidaturas como da Marina Arraes, como de Márcio Lacerda, assim, dois anos depois que as pessoas se estimularam e foram se preparando”, afirmou Ciro Gomes durante anúncio da candidata a vice-presidente em sua chapa, a senadora Kátia Abreu (PDT-TO).

Ciro disse ainda, se referindo à política brasileira de um modo geral, que um partido que não tem escrúpulos para manter sua palavra, não terá escrúpulos ao lidar com dinheiro público.

“É só fuxico, é só tratativa de gabinete, é só conchavo, é só rasteira, é só punhalada pelas costas. A falta de escrúpulo na política é a mesma base moral de quem tem falta de escrúpulo diante do dinheiro público. Se eu não tenho escrúpulo de te dar minha palavra e cumprir, por que diante de uma montanha de dinheiro difusamente pertencente ao povo eu vou deixar de roubar?", afirmou o candidato.

Alianças

Ciro comentou sobre eventuais dificuldades de sua candidatura por ter um número menor de partidos na coligação do que outros concorrentes. A coligação de Ciro conta com o PDT e o Avante.

Ciro argumentou que candidatos que estão na frente nas pesquisas eleitorais não têm grandes coligações. Ele citou a candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB), que fez aliança com partidos do “Centrão” (DEM, PP, PR, PRB e SD,) e disse que essas “estruturas” têm feito mal ao país.

“É muito curioso que neste momento o candidato elegível que está à frente na pesquisa está sozinho no partido, o segundo lugar está sozinho no partido, o terceiro lugar, a mesma coisa, você vai encontrar lá no fim as estruturas todas ao redor de uma confrontação que tem feito muito mal ao Brasil”, afirmou.


Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.