Supremo

Gilmar Mendes quer identificação de responsáveis por situação de índios Yanomami

Ministro do Supremo Tribunal Federal afirmou que situação de penúria de povo indígena é inaceitável.

Ipolítica, com informações do G1

Gilmar Mendes é ministro do Supremo Tribunal Federal
Gilmar Mendes é ministro do Supremo Tribunal Federal (Foto: Divulgação)

BRASÍLIA - O ministro Gilmar Mendes do Supremo Tribunal Federal (STF) quer a identificação dos responsáveis por grave situação a que foram submetidos os índios Yanomami.

O magistrado afirmou que a apuração de responsabilidades é “urgente”.

Nos últimos anos, segundo o Ministério da Saúde, mais de 540 indígenas morreram de fome ou de doenças no território Yanomami, em Roraima. 

"A inaceitável situação de penúria dos Yanomamis, agora revelada, é uma tragédia muito grande para acreditarmos que foi improvisada. A apuração das responsabilidades é urgente", escreveu o ministro no twitter.

A publicação foi compartilhada pelo ministro de Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino (PSB). 

Investigação
No último sábado (21) Flávio Dino determinou abertura de inquérito policial para apurar suposto crime de genocídio e crimes ambientais na Terra Indígena Yanomami, em Roraima.

De acordo com o Governo, somente em 2022 quase 100 crianças Yanomami morreram por causa de desnutrição severa, verminose e malária. 

A informação de morte dos índios, contudo, somente surgiu na imprensa e ganhou repercussão nacional no mês de janeiro deste ano. 

A crise sanitária chamou a atenção da imprensa mundial para o caso. 

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) visitou Boa Vista no sábado e anunciou medidas emergenciais de saúde e transporte público para os índios Yanomami. 

Ele também se disse alarmado com a situação dos índios e prometeu acelerar a contratação de profissionais da saúde para atender os índios em Roraima. 

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.