Caso Diogo Costa

Perícia analisa vídeo que pode indicar que carro do suspeito foi clonado

"A imagem diz tudo. Eu quero só que eles olhem direitinho e liberem meu filho", diz pai do suspeito preso.
Imirante.com18/06/2020 às 09h36

SÃO LUÍS – Imagens de videomonitoramento apresentadas pela família de Ayrton Campos Pestana à polícia estão sendo periciadas. No vídeo, aparece um carro vermelho, que segundo o pai de Ayrton, é o carro dele. Com as imagens, ele tenta provar que o carro utilizado pelo autor do assassinato do publicitário Diogo Adriano Costa Campos não é o mesmo que ele e seu filho usavam.

Em depoimento à polícia, o suspeito do crime, Ayrton, alegou que teve a placa do carro clonada e negou ter sido o autor do homicídio. A versão foi contestada pela Polícia Civil nessa quarta-feira (17).

Leia mais:

Suspeito de assassinar publicitário alega que placa de carro foi clonada, mas polícia contesta versão

Polícia cumpre prisão preventiva contra suspeito de assassinar publicitário

Suspeito de assassinar publicitário em São Luís se apresenta à Polícia Civil

Publicitário é assassinado a tiros na Lagoa da Jansen, em São Luís

Na manhã de hoje (18), em entrevista à Rádio Mirante AM, o delegado geral da Polícia Civil, Leonardo Diniz, disse que aguarda o laudo da perícia do vídeo, que a equipe de investigação não teve acesso no primeiro momento. “Qualquer informação nova será encaminhada ao poder Judiciário para que o juiz responsável tome as medidas cabíveis”, afirmou.

O pai do suspeito do crime, Wanderley, disse que não aceita a decisão da Justiça sobre o mandado de prisão contra Ayrton. Segundo ele, o filho estava com ele, e o carro estava em frente ao seu local de trabalho durante a manhã em que o crime foi registrado. “O carro estava comigo e eu vim entregar o carro”, afirmou em entrevista à Mirante AM, nesta manhã. Ainda de acordo com ele, o carro que aparece na imagem que apontou Ayrton como suspeito tem detalhes que o dele não tem. “A imagem diz tudo. Eu quero só que eles olhem direitinho e liberem meu filho”, completou.

Ouça mais detalhes na reportagem da Mirante AM:

Entenda o caso

O publicitário Diogo Adriano Costa Campos, de 41 anos, foi morto com um tiro no pescoço, no fim da manhã dessa terça-feira (16), após uma discussão de trânsito na Lagoa da Jansen, em São Luís.

Diogo Adriano Costa Campos tinha 41 anos. / Foto: Divulgação.

As imagens de câmeras de segurança mostram que o tiro que matou o publicitário saiu de dentro de um Argo vermelho, de placa PTJ-2844, após uma discussão entre o publicitário, que estava em um veículo Kwid, e o motorista do Argo.

A discussão teve início em um condomínio na Lagoa da Jansen, em São Luís, após o carro de Diogo Costa ter sido “fechado” pelo Argo. Em entrevista à Rádio Mirante AM, o delegado Wang Chao Jen disse que o homicídio aconteceu após uma longa discussão entre os motoristas, que terminou com o condutor do Argo vermelho atirando em Diogo Costa, que morreu no local.

Ainda na tarde de ontem, a Polícia Civil identificou o carro usado pelo assassino e conseguiu apreender o veículo. Durante a noite, Ayrton Campos Pestana, filho do dono do veículo e apontado como suspeito de ser autor crime, se apresentou na Superintendência de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP) acompanhado de um advogado, para prestar depoimento e foi preso preventivamente pela polícia.

Diogo Adriano Costa Campos tinha 41 anos e era sobrinho-neto do ex-presidente da República, José Sarney. Ele deixa uma filha.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.