Operação

Presos suspeitos de assassinatos na Ilha e no interior do MA

Uma das incursões ocorreu em São Luís e resultou em seis prisões; houve capturas em Junco do MA

Ismael Araújo / O Estado

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h15
.
. (operação)

São Luís - Polícia realizou três ações para prender suspeitos de assassinatos na Grande Ilha e no interior do estado, em 24 horas. Uma das operações resultou na prisão de seis criminosos e o cumprimento de 17 mandados de buscas e apreensão.
A atividade teve como foco os bairros Albino Soeiro, Vila Magril, Vila Riod, Cidade Olímpica e localidades adjacentes, com o objetivo de articular organizações criminosas especializadas em assassinatos na Ilha. Os presos foram encaminhados para a sede da Superintendência de Homicídio e Proteção a Pessoas (SHPP), na Beira-Mar, onde prestaram esclarecimentos sobre o caso e foram encaminhados para o Complexo Penitenciário de Pedrinhas.

As investigações foram conduzidas pela equipe da SHPP e pelo Departamento de Combate ao Crime Organizado (DCCO/SEIC). Segundo a polícia esses faccionados são suspeitos de terem executado Letícia Fernanda Trindade Ferreira e Abraão Ribeiro de Sousa, no bairro Albino Soeiro, no mês de dezembro do ano passado.

Viúva negra
A polícia realizou ontem mais uma etapa da operação Viúva Negra e conseguiu prender em Sarandi, no Paraná, o terceiro suspeito do assassinato do empresário identificado como Charles Cutrim de Sousa. Segundo a polícia, ele é apontado como executor e a vítima foi morta a tiros na porta de sua residência, no Residencial Renascer, no Maiobão, em Paço do Lumiar.

O preso foi levado para a Delegacia de Polícia Civil de Sarandi, onde prestou esclarecimentos sobre o caso e nos próximos dias vai ser transferido para São Luís, onde mais uma vez vai ser ouvido na sede da SHPP.
No último dia 25, a polícia prendeu na Grande Ilha a suposta mandante do crime, que era esposa da vítima; e outro envolvido no crime. Eles já foram ouvidos e encaminhados para o Complexo Penitenciário de Pedrinhas onde estão à disposição do Poder Judiciário.

O delegado Clarismar de Oliveira, da SHPP, declarou que, a princípio, a polícia trabalhava com a hipótese de latrocínio (roubo seguido de morte), mas no decorrer das investigações encontrou vestígios que apontaram a morte como crime por encomenda.

A viúva da vítima é suspeita de ter contratado dois irmãos para executar o marido. Ela disse para a polícia que era agredida e ameaçada de morte pelo companheiro. “A motivação nesse caso é só para a gente tentar entender e os familiares entenderem o porquê do Charles ter sido morto. Mas, para a tipificação, não vai haver mudança nenhuma”, frisou o delegado.

Clarismar de Oliveira informou que durante a investigação ficou constatado que a companheira da vítima contratou os dois irmãos para que executassem Charles Cutrim, por R$ 15 mil. A mulher teria que dar R$ 1.500,00 como “entrada” e o restante do valor seria dividido em 19 parcelas de R$ 700,00, pagas via depósito bancário.

Terra vermelha
Duas pessoas foram presas durante a Operação Terra Vermelha deflagrada ontem, em Junco do Maranhão, suspeitas de serem os mandantes da execução de um casal de trabalhadores rurais. Identificados como Maria da Luz Benício de Sousa e Reginaldo Alves de Barros. O crime ocorreu no dia 18 de junho deste ano na zona rural dessa cidade.

De acordo com a polícia, os mandantes do crime demandavam terras dessa localidade e tinham desavenças de heranças com um sobrinho. Os presos vinham ameaçando matar o sobrinho e os meeiros para que abandonassem as terras. Além das prisões foram apreendidas duas espingardas e três revólveres calibre 38. O caso segue sendo investigado pelo Departamento de Homicídios do interior.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.