Pais heróis

Pais inspiram filhos e driblam as adversidades para exercer a paternidade

Conheça histórias de pais dedicados que, como muitos outros neste domingo (8), têm motivos de sobra para comemorar

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h15
Nivaldo e Rodrigo trabalham na mesma empresa: orgulho e admiração mútua
Nivaldo e Rodrigo trabalham na mesma empresa: orgulho e admiração mútua

São Luís - Eles inspiram os filhos, que também são motivo de orgulho para os pais. Driblam obstáculos para exercer a paternidade em toda as suas formas. Essas são algumas de muitas histórias de pais que neste domingo (8), têm motivos de sobra para comemorar.

Rodrigo Lima, por exemplo, tinha apenas 5 anos quando o pai, Nivaldo Lima, dava os primeiros passos como açougueiro da Fribal. Hoje, pai e filho trabalham na mesma empresa e mantém uma admiração recíproca. Atualmente, Nivaldo é gerente de uma das lojas do grupo e o filho, Rodrigo, agora com 27 anos - que entrou na empresa como balconista, há dois meses -, tornou-se subgerente da loja do Bairro de Fátima. “É muito gratificante para o pai ver o filho trabalhar na mesma empresa e crescer”, comemora Nivaldo Lima.

Ele acha que serviu de inspiração para o filho mais velho – ele também é pai de Kaio de 19 anos. Mas não apenas isso. Ele ensinou Rodrigo a buscar seus objetivos e ter metas para alcançá-los. E deu resultado.

Rodrigo, que já é pai da pequena Alice Valentina, de apenas três anos, é só elogios quando fala do pai. “Ele é motivo de orgulho, de inspiração. Um excelente pai. Tudo o que temos, devemos ao trabalho do meu pai”, garante.

Agora é a vez de o filho dar orgulho ao pai. É essa a meta de Rodrigo. “Quero dar mais orgulho ao meu pai e ser pelo menos 80% do que ele é hoje”, diz, para, em seguida, lembrar que Nivaldo sempre foi uma pessoa batalhadora e lutou muito para chegar onde chegou. Rodrigo também faz questão de realçar que os valores de honestidade e disciplina, ensinados pelo pai, foram fundamentais para ser a pessoa que é hoje.

Rodrigo diz que tem como missão passar os mesmos valores à pequena Alice Valentina, a quem dedica todo o tempo de folga quando não está trabalhando. “Pretendo ser um pai sempre presente”, afirmou.

[e-s001]

Pai durante a pandemia
O desafio de ser pai em meio à pandemia foi o que vivenciou o analista de Departamento Pessoal da Fribal, Luís Reis, 30 anos. A pequena Maria Luiza nasceu em 9 de junho de 2020, quando o Brasil vivenciava uma das maiores médias diárias de mortes por Covid-19. “Foi um período muito difícil, não podíamos aceitar visita, tudo sendo higienizado o tempo todo, e ainda precisávamos usar máscara em casa e luva para pegar a bebê no colo”, lembra Luís.

O analista também se recorda que não pôde estar presente nas últimas consultas e exames da esposa. Mas teve a compensação de assistir ao parto, o qual considera um dos momentos mais mágicos já vivenciado por ele. Para compensar um período tão difícil, o primeiro ano de Maria Luiza teve um sabor a mais. “Vencemos aquele primeiro ano”, resumiu.

Luís Reis, com a pequena Maria Luzia, teve que driblar os obstáculos, com a pandemia, para curtir o nascimento da filha
Luís Reis, com a pequena Maria Luzia, teve que driblar os obstáculos, com a pandemia, para curtir o nascimento da filha

Profissão Pai e eletricista

O eletricista Radielson Silva Ferreira é pai do pequeno Pedro Ravi, e trabalha para a Equatorial Maranhão na empresa Dínamo Engenharia. Para ele, ser pai significa principalmente ser proteção, e ele aplica isso com o filho e em suas atividades profissionais. No contexto de pandemia ele precisou buscar as melhores formas para viver tudo isso com sua família. “Como pai, meu maior desafio é buscar de forma lúdica e divertida fazer com que meu filho encare esse momento da melhor forma possível e não sinta tanto esses impactos da pandemia que nos atingiu. Eu me identifico muito com o filme a ‘A vida é bela’, que conta a história de um pai que encara a guerra de uma forma engraçada e não deixa que seu filho perceba o perigo em torno da situação vivida. Como profissional eu tento me manter focado de corpo e mente para realizar minhas atividades laborais, eu lido todos os dias direto com fatores de alto risco, onde um erro pode ser fatal. Tenho a ciência que tenho uma família que precisa de mim”, destacou Radielson. Na foto, pai e filho vestidos com a farda da empresa, uma homenagem que demonstra a admiração que o papai Radielson tem pela profissão e busca passar ao filho Pedro Ravi.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.