Inclusão

Instituto desenvolve atividades de socialização e habilidades funcionais e emocionais

Diante de Todos oferece teatro, música e atividades físicas com o objetivo de proporcionar inclusão; o espaço é voltado para todos os públicos, mas com enfoque maior em pessoas com deficiência intelectual e idosos

Bárbara Lauria / Equipe O Estado

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h18
O Instituto Diante de Todos oferece diversas atividades para todos os públicos
O Instituto Diante de Todos oferece diversas atividades para todos os públicos (Instituto Diante de Todos)

SÃO LUÍS – Teatro, música, yoga, desenho, robótica e, principalmente, muito amor. Essas são uma das formas que Alana Penha, diretora do Instituto Diante de Todos, encontrou para ajudar no desenvolvimento integral do indivíduo nos aspectos motor, intelectual, emocional e funcional, de uma maneira lúdica e acolhedora. Inspirada no projeto que participou em Brasília, A Sinfonia Diferente, em que pessoas com o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) eram estimuladas através da musicoterapia, Alana trouxe a ideia para São Luís no objetivo de proporcionar espaços inclusivos.

“ Com esse projeto, eu percebi o quanto pessoas com necessidades especiais precisavam dessa oportunidade de outros estímulos, e não só a música. Então, eu percebi que também poderiam ser desenvolvidos os estímulos teatrais, tecnológicos, sociais, afetivos, emocionais, comportamentais, sensoriais. Foi com base nisso, em desenvolver várias atividades para esse público, que senti o desejo de criar um local onde pudéssemos favorecer todos os tipos de desenvolvimentos de habilidades para as pessoas que de fato acabam não tendo essas oportunidades”, explicou Alana Penha.

Localizado na Avenida Sambaquis, no bairro do Calhau, o espaço é voltado para todos os públicos, mas com enfoque maior em pessoas com deficiência intelectual e idosos, na tentativa de promover inclusão. Além das aulas e atividades, no local também há acompanhamento psicológico, fisioterapêutico e nutricional.

As atividades são realizadas de acordo com as necessidades de cada pessoa, que passa por uma avaliação com o psicólogo ocupacional para conhecer e saber quais as atividades que devem ser estimuladas, baseado nas preferências de cada pessoa. “Nós vamos conhecer aquele indivíduo, vamos fazer uma sondagem de habilidade para conhecermos quais habilidades que iremos estimular através daquilo que a pessoa sabe e gosta de fazer”, ressaltou a diretora.

Sofia Oliveira tem 13 anos e possuí TEA. Ela é uma das jovens que participa do Instituto e faz atividades que estimulem a socialização. “Esse espaço é muito bom. Aqui tem tudo que precisa para melhorar a cognição deles. A minha filha, por exemplo, precisa de muito estimulo para poder melhorar as habilidades sociais, ter mais desenvoltura. Então isso aqui é tudo de bom”, contou Gisele Cruz, mãe de Sofia. A jovem participou de atividades funcionais para ajudar na cognição e lógica.

“Cada espaço foi criado no intuito de proporcionar prazer e aconchego para os que aqui chegam, elevar a qualidade de vida através dos estímulos e de toda motivação presente durante o processo de aprendizagem, assim como gerar laços de amizade e companheirismo através da socialização e integração oriunda da proposta sócio-interacionista adotada pelo espaço”, destacou a diretora. O local está aberto para visitação de segunda a sexta-feira das 8h às 17h30. Aquele que quiser deve entrar em contato pelo telefone fixo 3011-5671 ou o Whatsapp 98354-8035.

Atividades

Com o objetivo de inclusão e estímulo da lógica e cognição, a informática é voltada especialmente para crianças e idosos. Com as crianças, é realizado um trabalho de robótica e criação de programação, em que através de atividades com robôs e equipamentos interativos, a criança pode desenvolver atenção e raciocínio lógico. Já com idosos, é desenvolvido uma atividade de inclusão e letramento digital para eles aprendam a mexer em redes sociais e equipamentos eletrônicos.

“Com as crianças realizamos a parte da computação e programação. A parte da robótica junto com a eletrônica e o arduíneo. Dentro da programação, eles aprendem não só o raciocínio lógico, mas também desenvolvem a criatividade, pois podem criar os próprios jogos. Eles aprendem enquanto se divertem. Já no caso dos idosos, a demanda maior é com o uso de aplicativos, que chamamos de letramento digital, pois para eles isso tudo é novo, então abordamos mais essa parte”, contou a facilitadora Ana Kely.

Música

Através do uso da musicoterapia, as aulas de música são uma das atividades mais populares do Instituto. Com aulas com o músico terapeuta e regente da Orquestra Jovem do Maranhão João do Valem, Edson Cosmos, as crianças aprendem a se expressar através da música.

Luta

O Instituto também disponibiliza aulas de luta para crianças. Com o apoio do lutador Lucas Américo, as crianças desenvolvem coordenação motora e podem experimentar diversas modalidades de luta. “A criança escolhe a modalidade que quer treinar e que se sentia melhor. Nosso treino é bem específico para a necessidade dessas crianças, temos uma atenção maior. É bem gratificante, estamos aqui para deixarmos elas mais tranquilas”, disse Lucas Américo.

Funcional

Com o objetivo de dar mais autonomia para os alunos, os professores de educação física Pedro Henrique e Cléber Júnior dão aulas personalizadas para a dificuldade de cada aluno. “Nosso objetivo é dar mais autonomia ao aluno, baseado na sua individualidade. Por exemplo, às vezes um paciente chega com deficiência de lateralidade, que é a noção de direita e esquerda, e vamos trabalhar justamente em cima da deficiência que esse aluno tem, além de aprimorar também outras habilidades que nem ele sabia que tinha. E assim, ele já descobre um novo talento que estava escondido”, explicou Pedro Henrique.

Teatro

Com o uso de fantasias, tecidos e muitas cores, o objetivo do teatro é ajudar na expressão de emoções e socialização de cada aluno. De acordo com a professora Eduarda Saraiva, a ideia de que com o uso desses elementos coloridos e maleáveis os alunos se sintam atraídos e confortáveis para praticar exercícios teatrais que ajudam, principalmente, na expressão de emoções.

Fisioterapia e Yoga

Além das atividades estimulativas, o Instituto também disponibiliza a fisioterapia e a yoga, com o objetivo de ajudar em exercícios de respiração. “Muitas vezes os alunos chegam agitados, então a ideia é os deixar relaxados para as próximas atividades”, destacou Kalyne Ericeira, estagiária de fisioterapia.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.