Polícia | Barbárie

Relembre os crimes bárbaros que desafiam a polícia no estado do Maranhão

Entre os casos mais graves está o desaparecimento de dois militares em Buriticupu em novembro de 2016; morte de holandês no Araçagi nunca foi esclarecida
05/10/2019
Relembre os crimes bárbaros que  desafiam a polícia no estado do MaranhãoJúlio César e Carlos Alberto desapareceram em novembro de 2016 em Buriticupu (Divulgação)

SÃO LUÍS - Crimes bárbaros ocorridos no estado, que apesar de terem gerado extrema comoção popular, além de terem sido amplamente divulgado na mídia, os acusados continuam em liberdade. Existem ocorrências que a polícia não conseguiu elucidar. Um desses casos foi o “Massacre dos Inocentes”, que aconteceu na madrugada do dia 26 de abril de 2006, no bairro Retiro Natal, área do Monte Castelo.

O acusado dessa chacina, Valdimar Lindoso Ferreira, de 48 anos, apesar de ter sido preso e condenado a 81 anos e oito meses pelo assassinato do próprio filho, Eric Ricardo dos Inocentes; de sua ex-mulher, Érica Rosana Matos dos Inocentes; dos sogros, Raimundo João dos Inocentes e Maria José Matos; da cunhada, Ellen dos Inocentes Ferreira, e da tentativa de homicídio da cunhada, Eliene Roseli Matos dos Inocentes, está em liberdade. Segundo a polícia, ele fugiu em abril de 2011 do Complexo Penitenciário de Pedrinhas e até hoje não foi localizado.

Esse crime chocou a capital maranhense. O ato de barbárie aconteceu em duas residências. Na primeira casa foram mortos a tiros a ex-mulher e o filho do acusado, e, na outra, os sogros e a cunhada. As vítimas foram atingidas quando dormiam.

Julgamento

Valdimar Lindoso Ferreira foi julgado pelo júri popular e condenado, no dia 22 de maio de 2009, na 11ª Vara Criminal, a 98 anos de reclusão. A defesa recorreu da decisão ao Tribunal de Justiça do Maranhão, que reformou a sentença da primeira instância, reduzindo a pena para 81 anos e 8 meses de reclusão, a serem cumpridos em regime fechado.

Atualmente, o processo encontra-se na 2ª Vara do Tribunal do Júri, para a qual foi remetido em julho de 2015. O juiz titular da 2ª Vara do Júri, Gilberto de Moura Lima, explicou que já determinou que fossem realizadas diligências para localizar o criminoso, solicitando, inclusive, a cooperação do Delegado Geral da Polícia Civil, da Secretaria de Segurança Pública do Estado do Maranhão e da Superintendência da Polícia Federal no Maranhão.

Soltos

Também continuam em liberdade Paulo André Lima Costa, Kleiton Henrique Sousa Coelho e Thiago Wenderson Sousa Coelho que, de acordo com a polícia, teriam torturado e assassinado o comerciante Jaime Maravalho Pereira da Silva Filho, de 41 anos. O corpo da vítima foi encontrado com vários hematomas ocasionados por paulada e algumas perfurações de tiro, na praia de Panaquatira, em São José de Ribamar, no dia 20 de novembro de 2011.

Paulo André Lima chegou a ser preso no dia 2 de dezembro, mas foi solto após seis meses por meio de decisão judicial. Os outros suspeitos nunca foram presos. Ainda foram confeccionados cartazes com a foto dos foragidos pelo Disque-Denúncia, oferecendo a recompensa de R$ 3 mil para quem desse informações. No próximo dia 29 está marcado o julgamento dos acusados, no fórum da cidade de São José de Ribamar.

Mistério

Continua um mistério o desaparecimento dos militares Júlio César da Luz Pereira e Carlos Alberto Constantino Sousa. Eles foram vistos pela última vez no dia 17 de novembro de 2016, na cidade de Buriticupu, e ainda não foram localizados.

O desaparecimento dos militares começou a ser investigado pela delegacia de Polícia Civil de Buriticupu, mas por determinação da cúpula da Secretaria de Segurança Pública (SSP), passou para o comando da Superintendência Estadual de Homicídios e Proteção a Pessoas (SHPP), sob a coordenação da delegada Nilmar da Gama.

Os militares Josuel Alves de Aguiar e Tiago Viana Gladstone de Sousa chegaram a ser presos acusados desse desaparecimento, mas foram soltos por determinação judicial. No momento, esse caso está sob análise da Justiça Militar em segredo de Justiça.

Também continua desaparecido Ícaro Ferreira Rodrigues, que teria sido raptado em setembro de 2008, da Vila Gorethe, área da Camboa. Ele tinha pouco menos de um mês de vida quando desapareceu.

O principal suspeito é um homem moreno, com cerca de 40 anos e cabelos grisalhos, que minutos antes esteve na casa da vítima para comprar carvão. O acusado teria fugido com a criança utilizando uma canoa. O caso chegou a ser investigado pela Delegacia de Proteção a Crianças e ao Adolescente (DPCA), que nãp conseguiu elucidar o caso.

Estrangeiro

O assassinato do holandês Joel Bastianes, e da sua namorada, Sandra Maria Dourado de Souza, foi denunciado para a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), sediada em Washington, nos Estados Unidos, devido a demora das autoridades brasileiras em elucidar esse crime. O duplo homicídio, de acordo com a polícia, teve característica de encomenda e ocorreu no dia 28 de fevereiro de 2010, no Alto do Jaguarema, área do Araçagi.

Inconformados com a impunidade e a demora de identificar e prender os envolvidos nesse crime, a família do holandês apresentou denúncia contra o Estado brasileiro perante a CIDH, no final do ano passado. Na petição apresentada à CIDH, os familiares do estrangeiro solicitam o cronograma com informações detalhadas sobre as ações e estratégias para cumprir com a obrigação de investigar e elucidar o caso. É requerida ainda a reparação integral aos familiares pelas violações de direitos humanos perpetradas contra as vítimas.

Conforme consta no inquérito policial, relatado na petição, as suspeitas recaem sobre o ex-marido de Sandra Dourado, o empresário Sérgio Damiani. Ela chegou a registrar boletim de ocorrência por agressão e ameaça de morte contra o marido quando ainda estava casada, entre os fatos que teria motivado o divórcio.

Indefinição

A polícia ainda ontem não havia identificado os acusados da morte do prefeito de Ribamar Fiquene, Hitler Alves Costa, o Ita Alves. Segundo a polícia, o gestor municipal foi assassinado a tiros por dois homens, que fugiram em uma motocicleta Titan, na noite do dia 16 de julho de 2007, nessa cidade. Policiais militares chegaram a prender, em Estreito, Manoel da Conceição Rocha, como um dos suspeitos, que acabou liberado.

Os acusados do assassinato do blogueiro Ítalo Eduardo Diniz Barros, de 30 anos, ainda não foram presos. Ele foi morto a tiros no centro da cidade de Governador Nunes Freire, no dia 13 de novembro de 2015. A polícia informou que a vítima era ameaçada de morte devido algumas publicações postas no seu blog. Na descrição do blog, ele escreveu que o trabalho “nasceu de uma vontade popular de querer um veículo de comunicação que reivindicasse o direito do povo” e deixa clara sua motivação política.

Entenda

Atos criminosos no estado

Massacre dos inocentes: ocorreu em abril de 2006, no Retiro Natal, e o principal acusado, Valdimar Lindoso Ferreira, está foragido.

Assassinato de Jaime Maravalho: os acusados da morte do comerciante, em novembro de 2012, estão solto e devem ser julgados no próximo dia 29, no Fórum de São José de Ribamar.

Desaparecimento de PMs: os militares Júlio César da Luz Pereira e Carlos Alberto Constantino Sousa estão desaparecidos desde o dia 17 de novembro de 2016.

Rapto de criança: Ícaro Ferreira Rodrigues foi raptado em setembro de 2008, quando tinha pouco menos de um mês de vida da rua residência, na Vila Gorethe, área da Camboa.

Duplo homicídio: a morte do holandês Joel Bastianes, e da sua namorada, Sandra Maria Dourado de Souza, ocorrida no dia 28 de fevereiro de 2010, na área do Araçagi, ainda indefinido.

Sem prisão: ainda não foram presos os acusados do assassinato do prefeito de Ribamar Fiquene, Hitler Alves Costa, o Ita Alves, ocorrido no dia 16 de julho de 2007, nessa cidade.

Morte de blogueiro: a polícia ainda não prendeu os executores do blogueiro Ítalo Eduardo Diniz Barros, de 30 anos. O crime ocorreu no centro da cidade de Governador Nunes Freire, no dia 13 de novembro de 2015.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte