Crime

Vaqueiro é preso pelo assassinato de vereador de Maranhãozinho

Fato ocorreu em abril em Santa Luzia do Paruá quando o parlamentar saía de uma fazenda; nesta sexta-feira, o suspeito foi preso por decisão judicial

Ismael Araújo

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h24
João Pereira Serra foi vítima de crime de encomenda
João Pereira Serra foi vítima de crime de encomenda (Vereador)

SANTA LUZIA DO PARUÁ - O vaqueiro Egídio Silva Pires, o Nó Cego, foi preso nesta sexta-feira em cumprimento de uma ordem judicial em uma fazenda, na zona rural de Santa Luzia do Paruá. Segundo a polícia, ele acusado de ser o executor do vereador da cidade de Maranhãozinho, João Pereira Serra (PSD), o Jango, de 46 anos, fato ocorrido no dia 23 de abril deste ano em uma área de matagal, em Santa Luzia do Paruá.

O caso está sendo investigado pela Superintendência de Homicídio e Proteção a Pessoas (SHPP), coordenado pelo delegado Jeffrey Furtado. O detido foi levado para a delegacia da cidade onde prestou esclarecimentos sobre o caso e, em seguida, encaminhado para a unidade prisional.

As diligências na localidade continuam visando prender a outra pessoa, que segundo a polícia, estava com o executor no dia do crime. O mandante também está sendo procurado, já que a polícia trabalha como crime de encomenda.

Há informações de que o executor do vereador trabalha em uma fazenda, na região, e teria recebido a ordem e uma quantia em dinheiro para matar o parlamentar de um fazendeiro do mesmo município, que não teve o seu nome revelado.

Assassinato

O crime ocorreu por volta das 6 h da manhã do dia 23 de abril, na zona rural de Santa Luzia do Paruá. O vereador estava em um veículo preto em companhia de um homem quando foi abordado pelos criminosos.

Jango levou vários tiros de escopeta e de um revólver calibre 38. Ele morreu no local. O corpo foi removido para o hospital da cidade para a autópsia. A pessoa, que estava com o parlamentar também foi baleado e levada para o hospital onde passou por tratamento cirúrgico, mas não corre mais risco de morte. Os acusados fugiram em direção a uma área de matagal.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.