Cidades | CONSEQUÊNCIAS DAS CHUVAS

Defesa Civil contabiliza 10 ocorrências em consequência das chuvas no estado

Órgão estadual realizou vistorias em edificações em São Luís e barragens no interior do estado; na capital, 92 casarões foram isolados por risco de desabamento; expectativa de chuva para este mês é de 374mm
IGOR LINHARES / O ESTADO 16/02/2019

Com a intensificação do período chuvoso em São Luís, que em janeiro ultrapassou a média histórica de 244,2 milímetros para 393,4 milímetros, isto é, 62% a mais, além de indicar seguir em linha vertical, apontando, também, crescimento do volume pluviométrico para este mês, a Defesa Civil Estadual tem permanecido atenta para as eventualidades, algumas previstas, como nas áreas de risco, outras nem tanto. Do mês passado até ontem (15), o órgão recebeu 10 chamados, entre os quais foram atendidas ocorrências envolvendo deslizamentos e desabamentos de edificações, na capital e no interior do estado.

Em São Luís, uma das regiões que mais preocupa a Defesa Civil Estadual é a do Centro Histórico. Com um conjunto arquitetônico de mais de quatro séculos de história, algumas das edificações estão em ruínas, principalmente pelos efeitos do próprio tempo. Atualmente, de acor­do com o órgão, 92 prédios históricos isolados, apresentam o risco de desabamento, agravado pela quantidade de chuva que tem atingido a cidade, a exemplo do temporal da madrugada de quinta-feira (14), que causou transtornos em vários pontos.

“Inicialmente, tivemos o cuidado de realizar vistorias em locais de risco e nas edificações que costumam causar problemas durante o período chuvoso, principalmente na região do centro histórico de São Luís e, no interior, focamos nas barragens, ponto que temos observado minuciosamente neste período”, pontuou o coordenador adjunto da Defesa Civil Estadual, capitão Fernandes. “Todas as ocorrências, até o momento, foram relacionadas à chuva, como desabamento e deslizamentos de terra”.

Para atender às demandas da população, da capital e do interior do estado, o órgão tem trabalhado em conjunto com os municípios, além de servir 24h. “Temos as equipes disponíveis o tempo inteiro para atender a todos os chamados e o contato pode ser feito por meio do telefone 193, que é o do Corpo de Bombeiros, e o nosso próprio telefone, de número 3212-1521, para o qual os solicitantes podem ligar a qualquer momento”, destacou o capitão. Quando o ocorrido não de responsabilidade da Defesa Civil Estadual, o próprio órgão fica responsável para realizar a triagem para os responsáveis.

Orientações
Em caso de um temporal, como tem sido frequente na capital maranhen­se nos últimos dias, a Defesa Civil Estadual alerta para que a população siga determinadas orientações. “A gente orienta a população não sair de casa quando estiver chovendo, evitar fazer qualquer trajeto. Ou seja, sair apenas quando a chuva parecer ter diminuído ou mesmo cessado”, recomendou o coordenador adjunto do órgão no Maranhão.

Outro ponto que também requer atenção, segundo o capitão Fernandes, é o percurso de pessoas por áreas de risco, próximos a edificações com estruturas condenadas, que sofrem o risco iminente do desamento. “Recomendamos, também, que a população mantenha distância de imóveis que apresentem risco de queda, sejam eles notificados, com selo de isolamento ou não”, frisou. “No Centro Histórico, por exemplo, fizemos o isolamento de dezenas de casarões, tentando evitar que algum indivíduo seja atingido por algum desabamento”.

MAIS ORIENTAÇÕES

Áreas de encosta
Moradores de áreas de encosta devem observar se há rachaduras em paredes, tijolos, concreto, ou mesmo no chão e estar atentos a afundamento do solo e barulhos, como rangidos na estrutura da residência.
Os moradores devem atentar ainda para a presença de água barrenta ou com mau cheiro perto dos imóveis, o que pode evidenciar a presença de vazamento de esgoto na região, deixando o solo mais úmido e aumentando o risco de deslizamento de terra.
Cuidados no trânsito
No trânsito, a recomendação é para que os motoristas mantenham a atenção redobrada na condução dos automóveis. Se estiver parado e o local começar a alagar, motoristas e passageiros devem deixar o veículo e seguir para um lugar seguro. Se estiver já dirigindo, o motorista pode optar por fazer uma parada antes de seguir viagem.
Descargas
Há riscos ainda de descargas elétricas. Para se proteger, os locais mais adequados são o interior de carros, ônibus ou edificações.

NÚMEROS

10 ocorrências
92 edificações isoladas
374 milímetros para fevereiro

TELEFONES

193 - Corpo de Bombeiros
3212-1521 - Defesa Civil Estadual

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte