A gente conta... | Pela vida

Acolhida solidária: após perda do filho, família ajuda pacientes com câncer

Associação Antonio Brunno dá apoio a pacientes com câncer, vindos do interior do estado; inciativa é um projeto do filho, que faleceu de câncer aos 22 anos
IGOR LINHARES / O ESTADO01/09/2018


Um anjo! Assim é considerado o jovem Antonio Brunno Pessoa Sousa, que, mesmo fisicamente já não desenvolvendo os projetos pelos quais tinha tanto amor - materializados atualmente por seu pai, o empresário Antonio Lima Sousa -, ainda hoje beneficia milhares de pessoas com seu legado. O acolhimento solidário da associação sem fins lucrativos que carrega como homenagem o seu nome é capaz de transformar vidas e contorná-las em seus momentos mais difíceis, e assim tem feito, durante sete anos. Antonio Brunno Pessoa Sousa morreu no auge da vida, aos 22 anos de idade, vítima do câncer.


“O Brunno dedicou pouco mais de dois anos de sua vida a desenvolver trabalhos de forma lúdica, para tornar menos fatídica a vida de crianças acometidas pelo câncer e pacientes do Hospital Aldenora Bello, onde tudo começou. Ele se vestia de palhaço e se empenhava para levar alegria a cada um”, afirma Antonio Lima Sousa, pai de Antonio Brunno, que trabalha para manter vivo o sonho do filho.

Ter sido vítima de uma doença tão voraz não impossibilitou que os planos do jovem aflorassem. Uma das certezas mais infelizes de um paciente oncológico é a de que, em algum momento a vida vai ter fim. Mas, o jovem continuou sonhando e promovendo aquilo pelo que mais zelava: a felicidade no rosto de quem sofria com o câncer.

“Mesmo já doente, ele convidava os pacientes enfermos para a nossa casa. Depois de um intervalo de tempo, ele não estava bem fisicamente, mas espiritualmente ele sempre esteve disposto a ajudar, a conversar com os pacientes e nunca se reclamou da condição em que se encontrava, estava sempre conformado, dizia ser daquela forma a vida, sem indagar os porquês”, declarou Lima .

O exemplar e solidário passado de Antonio Brunno ainda é presente e caminha para o futuro, mesmo após a sua partida - que não impediu que o seu tão planejado projeto, o de desenvolver uma casa de apoio aos pacientes acometidos pelo câncer, fosse concretizado e tivesse contribuído de forma tão empática e colaborativa como tem sido desde seu falecimento, em março de 2011.

Seu pai, Antonio Lima, enxergou no projeto deixado por Antonio Brunno a forma de manter viva a memória do jovem e abriu mão de tudo para embarcar na generosa ideia do filho. Mesmo desolado, após sete anos da fatalidade que lhe custou a vida do filho - e uma parte dele, de seu coração, como ele diz -, tem batalhado diariamente em prol dos pacientes oncológicos, principalmente os vindos do interior.

A associação
A vontade de fundar uma organização que pudesse trabalhar de forma mais ativa para a rotina de um paciente oncológico foi uma ideia de Antonio Brunno que, vivendo e sentindo na pele as duras consequências da doença, e convivendo com outros pacientes acometidos pelo câncer - ora com condição, ora sem nenhuma, principalmente financeira para arcar com os custos que demandam o tratamento da doença -, o jovem pensou em abrir um centro de acolhimento, o que não foi possível em vida.


“Hoje, eu vivo dos resultados da fundação. Com ela, Antonio Brunno deu novamente sentido à minha vida. Assim como me deu sentido quando nasceu e, durante seus 22 anos comigo, todos os dias ele me resgata com o trabalho nessa casa”.

Antonio Lima Sousa, atualmente, se dedica integralmente à causa. Trabalha incessantemente, com o que tem e o que não, junto da esposa e mãe de Antonio Brunno, Fátima Sousa, e dezenas de outros voluntários, que têm feito um trabalho admirável. Desde sua fundação, a casa já acolheu mais de 1.000 pacientes com câncer. A casa acolhe os pacientes e seus acompanhantes, lhes dando abrigo, alimentação, custeando exames e medicamento, deslocamento para as sessões de rádio e quimioterapia, atividades lúdicas e também auxilia com despesas funerárias dos pacientes mais humildes.

“Com a perda do Brunno, diante do que ele tanto planejou e idealizou só nos restou uma única opção em razão do projeto que ele deixou estruturado em seu computador: pôr em prática! E assim temos feito, apesar de barreiras, e, principalmente, apesar da falta dele. Tudo isso me faz tê-lo vivo, é como se ele nunca tivesse partido”. (Antonio Lima Sousa, pai de Antonio Brunno).

Como ajudar

Endereço: Rua C, Quadra 9, Casa 18, Planalto Anil II

Contas para doação

Banco do Brasil – Ag. 4288-9 Conta. 34793-0

Caixa Econômica – Ag. 1576 Op. 003 Conta. 4735-0

Banco Itaú – Ag. 4525 Conta. 25280-7

Contatos

(98) 3181-0016

(98) 98296-2329

(98) 98152-6721

E-mail: contato@antoniobrunno.org.br

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte