Geral

Menos de metade dos homens com HIV no mundo está em tratamento

De acordo com a ONU, lacuna entre homens e mulheres é maior na África Central e Ocidental, onde apenas 25% dos homens com HIV recebem tratamento antirretroviral, contra 44% das mulheres
03/12/2017 às 07h00

NOVA YORK - Dados mundiais divulgadas pela Organização das Nações Unidas mostram que os homens têm menos probabilidades de ter acesso ao tratamento da Aids e mais risco de morrer com doenças relacionadas ao HIV, já que menos da metade dos portadores do vírus estão sendo tratados adequadamente com antirretrovirais.

O relatório indica que, em média, a cobertura do tratamento entre homens de 15 anos ou mais foi de 47% em 2016 em todo o mundo. O índice chega a 60% entre as mulheres.

A lacuna entre homens e mulheres é maior na África Central e Ocidental, onde apenas 25% dos homens com HIV recebem tratamento antirretroviral contra 44% das mulheres, embora existam diferenças importantes em outras regiões do mundo.

Globalmente, 36,7 milhões pessoas são portadoras do HIV, mas apenas 20,9 milhões têm acesso ao tratamento contra o vírus. Ainda assim, o número de pessoas que se tratam é quatro vezes maior do que em 2000.

América Latina

Na América Latina, que inclui o Brasil, no entanto, a tendência não se repete: 58% dos homens já fazem o uso dos medicamentos necessários para combater o vírus. Entre as mulheres, o índice é de 59%.

Os dados foram revelados pelo relatório "Blind Spot" (Ponto Cego) publicado na sexta-feira (1º) pelo Programa Conjunto da ONU sobre o HIV/Aids (Unaids) por causa do Dia Mundial da Luta contra a Aids, que foca neste ano no acesso ao tratamento por parte de homens e crianças.

"Enfrentar as desigualdades que colocam as mulheres e meninas em risco de infecção pelo vírus está em primeiro plano na resposta à AIDS”, disse Michel Sidibé, diretor-executivo do Unaids. “Mas há um ponto cego em relação aos homens - os homens não estão usando os serviços de prevenção e testagem para o HIV e não estão buscando acesso ao tratamento na mesma escala que as mulheres.”

Devido à diferença em nível global, os homens têm mais chances de morrer que as mulheres de doenças relacionadas com a Aids, já que representavam 58% das mortes ligadas ao vírus em 2016.

Os estudos mostram que, além disso, os homens são mais propensos do que as mulheres a começar o tratamento de forma tardia, a interrompê-lo e a não realizar o acompanhamento terapêutico.

O relatório destaca que essas brechas e carências na cobertura de tratamento contribuem para novos ciclos de infecção.

A prevalência do HIV, segundo o documento, é "sistematicamente" maior" entre homens que fazem parte dos grupos de população-chave (incluindo profissionais do sexo, pessoas que usam drogas injetáveis, pessoas trans, pessoas privadas de liberdade, gays e outros homens que fazem sexo com homens - e seus parceiros sexuais).

Fora do sul e do leste da África, 60% das novas infecções pelo HIV entre adultos ocorrem entre homens.

Os homens que mantêm relações sexuais com homens têm 24 vezes mais chances de contrair o HIV. Apesar disso, o uso de preservativo parece estar diminuindo na Austrália, na Europa e nos EUA.

O relatório da Unaids também afirma que cerca de 80% dos 11,8 milhões de pessoas que usam drogas injetáveis são homens, e que a prevalência do HIV entre eles supera os 25% em vários países.

O documento defende iniciativas que façam os homens utilizarem os serviços de saúde e que esses serviços sejam mais acessíveis para eles, se adaptando às necessidades e às realidades do grupo.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte