No Maranhão

Morre PM que denunciou ter sido vítima de homofobia e tortura

O soldado Carlos Bahia havia sido transferido na madrugada dessa quarta-feira (9), de ambulância, para o Hospital Carlos Macieira, em São Luís,

Imirante.com

- Atualizada em 10/08/2023 às 15h15
O PM lotado no 26º BPM, em Açailândia, havia denunciado que sofreu agressão e homofobia praticadas por outros militares da corporação. (Foto: arquivo pessoal)
O PM lotado no 26º BPM, em Açailândia, havia denunciado que sofreu agressão e homofobia praticadas por outros militares da corporação. (Foto: arquivo pessoal)

SÃO LUÍS - O soldado Carlos Bahia, de 31 anos, morreu no início da manhã desta quinta-feira (10) no hospital Carlos Macieira, em São Luís. Ele estava internado em um hospital de Açailândia desde a semana passada e havia sido transferido na madrugada dessa quarta-feira (9), de ambulância, para o Hospital Carlos Macieira, em São Luís, após aguardar cinco dias pelo transporte aéreo, mesmo com liberação de leito de UTI Ana capital.

De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (SES), a causa da morte do PM ainda está sendo apurada pelo Serviço de Verificação de Óbitos (SVO) do Instituto Médico Legal (IML).

Leia mais:

Policial militar diz ter sofrido homofobia dentro de quartel em Açailândia

PM que denunciou ter sido vítima de homofobia e tortura está internado em estado grave

O PM lotado no 26º BPM, em Açailândia, havia denunciado que sofreu agressão e homofobia praticadas por outros militares da corporação. Além de registrar um boletim na Polícia Civil, fazer exame de corpo de delito e notificar o Ministério Público, ele também assinou no dia 27 de junho um termo denunciando o caso ao comando da Polícia Militar e chegou a pedir ajuda ao Centro de Defesa dos Direitos Humanos de Açailândia.

26º BPM em Açailândia. (Foto: Reprodução / TV Mirante)
26º BPM em Açailândia. (Foto: Reprodução / TV Mirante)

O caso passou a ser acompanhado por entidades que agora cobram punição ainda mais rigorosa dos responsáveis. Além da discriminação no quartel, os abusos também ocorreram na casa do militar, que foi agredido e teve a residência revistada com argumentos de que ele teria abandonado o posto de serviço para um encontro íntimo.

Carta assinada pelo PM. (Foto: Reprodução / TV Mirante)
Carta assinada pelo PM. (Foto: Reprodução / TV Mirante)

O coletivo LGBTQIA+ de Açailândia lamentou a morte do PM. Já a Secretaria de Estado da Saúde, disse que foi aberto um procedimento administrativo para investigar a denúncia e divulgou nota informando que a causa da morte está sendo apurada. Leia a nota na íntegra

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) informa que o paciente Carlos Bahia Santos faleceu nesta quinta-feira (10). A causa da morte está sendo apurada pelo Serviço de Verificação de Óbitos (SVO) do Instituto Médico Legal (IML). A SES lamenta o falecimento e se solidariza com familiares e amigos.

Investigações

Sobre as investigações, a Polícia Militar reitera que as investigações abertas com o procedimento administrativo seguem em andamento. Reforça, ainda, que não coaduna com qualquer prática de intolerância, visto que, a discriminação, seja racial, de gênero, religiosa ou por orientação sexual, não faz parte dos valores adotados pela corporação.

A Polícia Militar do Maranhão (PMMA) também emitiu nota lamentando o falecimento de Carlos Bahia. Veja:

A Polícia Militar do Maranhão através do 26° Batalhão de Polícia Miltar com imensa tristeza, manifesta pesar diante do falecimento Soldado Carlos Bahia Santos.

A Corporação, enlutada, roga a Deus que, em sua misericórdia, conforte os corações da família e dos amigos neste momento de profunda e imensurável dor.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.