Eleições 2022

Candidatos ao Governo do Maranhão já gastaram mais de R$ 13 milhões na campanha

Dados constam do sistema de divulgação de candidaturas e prestações de contas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o DivulgaCand Contas.

Gilberto Léda/ipolítica

Candidatos ao Governo do Maranhão apresentaram parciais de gastos à Justiça Eleitoral
Candidatos ao Governo do Maranhão apresentaram parciais de gastos à Justiça Eleitoral (Juliana Chaves)

SÃO LUÍS - A divulgação de prestações de contas parciais pelos candidatos que disputam as eleições deste ano revela o custo das campanhas dos postulantes ao cargo de governador do Maranhão.

No total, já foram declarados gastos da ordem de R$ 13.221.725,09, segundo dados atualizados até esta quinta-feira (15) consultados pelo Imirante no sistema de divulgação de candidaturas e prestações de contas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o DivulgaCand Contas.

O campeão neste quesito é o senador Weverton Rocha (PDT), que já gastou R$ 5,7 milhões - R$ 1,3 milhão dos quais com a produção de programas eleitorais. O segundo colocado é o governador Carlos Brandão (PSB), com gastos de R$ 3,2 milhões - sendo R$ 925 mil com material gráfico.

Eles são seguidos pelo candidato do PSD, Edivaldo Holanda Júnior (R$ 2,9 milhões, com R$ 1,5 milhão para produção de programas eleitorais), e pelo candidato do PSC, Lahesio Bonfim (R$ 872 mil, com 400 mil para a produção de jingles). Veja o ranking completo ao final da reportagem.

Segundo o TSE, 24.986 candidatas e candidatos nas Eleições 2022 enviaram à Justiça Eleitoral, dentro do prazo legal, a primeira parcial da prestação de contas de campanha. O número corresponde a 85,80% do total de mais de 29 mil relatórios dos que concorrem no pleito. As informações enviadas devem detalhar a movimentação financeira e/ou estimável em dinheiro ocorrida de 16 de agosto a 8 de setembro. 

Previsão legal - A regra sobre prestações de contas de campanha está prevista na Lei das Eleições (artigos 28, parágrafo 4º, inciso II, da Lei nº 9.504/1997) e na Resolução TSE nº 23.607/2019 (artigo 47, parágrafo 4º). A prestação de contas parcial deve conter os relatórios discriminando as transferências do Fundo Partidário e do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC), os recursos financeiros e os estimáveis em dinheiro recebidos, bem como os gastos realizados no período.

Também devem trazer a indicação dos nomes e do CPF das pessoas físicas doadoras. No caso dos partidos políticos e candidatas ou candidatos doadores, deve ser indicado o CNPJ. Além disso, devem apresentar a especificação dos respectivos valores doados; a identificação dos gastos realizados, com detalhamento das fornecedoras ou dos fornecedores; e a indicação da advogada ou do advogado responsável pelas contas de campanha.

Os gastos dos candidatos

- Weverton - R$ 5,7 milhões
Produção de programas eleitorais - R$ 1,3 milhão

- Brandão - R$ 3,2 milhões
Material gráfico - R$ 925 mil

- Edivaldo - R$ 2,9 milhões
Produção de programas eleitorais - R$ 1,5 milhão

- Lahesio Bonfim - R$ 872 mil
Produção de jingles - R$ 400 mil

- Simplício - R$ 330 mil
Produção de programas eleitorais - R$ 210 mil

- Enilton Rordrigues - R$ 69,8 mil
Material gráfico - R$ 39,8 mil

- Joas Moraes - R$ 34 mil
Fotos e vídeos - R$ 33 mil

- Frankle Costa - R$ 7,7 mil
Assessoria contábil - R$ 7,2 mil

- Hertz Dias - R$ 1,2 mil
Assessoria contábil - R$ 1,2 mil

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.