Coluna do Joaquim

Positivista, pero non mucho!...

Uma reflexão ponderada sobre certezas e dúvidas.

Joaquim Haickel

 

 

Quanto mais eu penso e estudo, mais acredito que as minhas certezas são unicamente provenientes das dúvidas que lhes deram origem, e olhe, minhas dúvidas são muitas, viu? 

O fato de eu ser agnóstico, ter uma fé que não é vinculada diretamente a nenhuma religião formal, me faz reconhecer o quanto estou perto de ser realmente um positivista, principalmente por acreditar que a vida e o mundo serão sempre melhores se tiverem o amor como princípio, a ordem como base e o progresso como meta. Em tese essas coisas estão arraigadas a todas as ideias dos percussores das religiões, a diferença é que em mim, não há por trás delas, uma estrutura de igreja formal.

Quanto mais eu penso e estudo, mais acredito que de modo algum eu sou um ortodoxo, um radical. Procuro ser flexível, ouvir as versões e ponderar as soluções. A minha mente é tão aberta e permeável que não admite intervalos fechados. Nada de parênteses ou colchetes em minhas equações de vida, pois sempre é possível se repensar uma situação, revisar os números e agregar novos conhecimentos e novas práticas, sem mudarmos necessariamente a nossa essência.

Não se pode jamais desconhecer a história nem a ciência, mas é preciso entender que a história possui seus recortes, muitos dos quais provenientes de quem a relata, e a ciência fria, sem a luz da ética não basta para que possamos ter seu pleno e efetivo uso na vida humana.

Quando digo não aceitar religiões, não quero dizer que rejeito a ideia de uma entidade superior, uma espécie de catalizador, um maestro de uma orquestra sem músicos, mas repleta de timbres sonoros, um pintor cuja paleta é capaz de conter todas as cores do universo, sem ter que misturá-las, um professor que conhece todas as perguntas, porque saber as respostas seria muito fácil.

Quando digo que Jesus não precisa ser filho de Deus, não estou blasfemando. Simplesmente estou repetindo o que disse ele mesmo, o meu irmão galileu. Deus é amor, Deus é paz, compreensão... Deus está dentro de cada um e ninguém precisa de uma religião para ter Deus consigo, como Jesus provou que não precisava do judaísmo desvirtuado, professado pelos sacerdotes do Templo de Salomão.

Veja, nenhuma religião será suficiente para conter Deus. Ao estudarmos o judaísmo, o cristianismo e o islamismo, descobriremos enormes semelhanças entre eles e é fácil compreender que as diferenças são apenas e tão somente temporais e culturais. As três religiões possuem a mesma base, mas o fato de terem sido estabelecidas e praticadas em momentos diferentes, por civilizações distintas, e sofrido influências próprias, fez com que cada uma se moldasse às suas próprias condições e circunstâncias.

Se Mohandas Karamchand não tivesse nascido na Índia e sua família não professasse a religião hinduísta, ele jamais teria sido o Gandhi que conhecemos hoje, e o fato dele não seguir os padrões daquele que escolhi como régua e compasso, não significa que eu não possa ou não deva, admirá-lo e exaltá-lo, pelo menos naquilo que eles têm de semelhantes. 

Costumava dizer que se me fosse dada uma única possibilidade de visitar o passado e testemunhar um fato da história, gostaria de ver com meus próprios olhos o que realmente aconteceu na vida de Jesus. Hoje já não penso mais assim. A verdade sobre Jesus não vai mais mudar meu entendimento sobre o significado de sua mensagem. Agora eu gostaria de saber o que realmente aconteceu na vida de Maomé, para quem sabe poder entender por que seus seguidores divergem tanto entre si mesmos, e como poderia encontrar um denominador comum entre eles e todos nós.

Quando eu era ainda bem jovem e alguém me perguntava o que eu tanto pensava ou escrevia, respondia garboso, querendo parecer sofisticado: “O pensamento é uma estrada que não cobra pedágio e nos possibilita fazer viagens rápidas e seguras”. É nisso que tenho me confiado em todos esses anos, mais que nos maravilhosos ensinamentos de Comte ou mesmo nos engrandecedores exemplos de Rondon.

Uma coisa é certa! Dois profetas da religião que poderia ser o criador, nos oferecem ensinamentos que devem ser ouvidos, assimilados e seguidos. “Tudo vale a pena se a alma não é pequena” e “Eles passarão, eu passarinho”, ao que meu eu polêmico, argumenta: Qual alma, cara-pálida!? Quem são eles, Passarinho!?

No final me resta uma certeza: na vida, não deve haver intervalos fechados.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.