Julgamento

Pai e filhos acusados de homicídio sentam no banco dos réus 13 anos após o crime em Imperatriz

O segurança de uma boate José Jefferson de Lucena foi atingido a tiros e morreu no hospital.

Tátyna Viana/Imirante.com

- Atualizada em 22/11/2023 às 09h57
Julgamento é realizado no Fórum Henrique de La Rocque Almeida em Imperatriz.
Julgamento é realizado no Fórum Henrique de La Rocque Almeida em Imperatriz. (Foto: Divulgação)

IMPERATRIZ - Ocorre nesta quarta-feira (22), em Imperatriz, o julgamento dos acusados de envolvimento na morte do segurança José Jefferson de Lucena, crime ocorrido em 2010.

De acordo com os autos, no dia 28 de março de 2010, o segurança José Jefferson de Lucena estava de serviço na Boate Itz Club, que funcionava no Centro da cidade, quando foi alvejado a tiros por um homem identificado por Edmar Lima do Carmo. O segurança não resistiu às lesões sofridas e morreu no hospital.

Segundo a denúncia do Ministério Público, Edmar Lima do Carmo fugiu, com auxílio o pai dele Edson Gomes do Carmo, conhecido por “Edinho do Cimento”, e do irmão Edson Lima do Carmo. 

Com a morte do segurança José Jefferson, o crime passou a ser tipificado como homicídio duplamente qualificado, por motivo torpe cuja pena pode ser de 12 a 30 anos de prisão. Mas o juiz pode conceder o direito aos suspeitos de recorrer em liberdade, como eles estão, atualmente, no que se refere a esse caso. Edmar chegou a ser preso, recentemente, em Teresina, por suspeita de participação no desaparecimento do vendedor de carros Cicinho.

O Tribunal do Júri, por meio da 1ª Vara Criminal, sob a presidência da juíza Edilsa Barros Ferreira Lopes Viegas, já está reunido no Fórum Henrique de La Rocque Almeida em Imperatriz para dar início ao julgamento.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram, TikTok e canal no Whatsapp. Curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.