Congresso Nacional

Relator do Orçamento reduz valor do fundo eleitoral para 2022

Wellington Fagundos retirou dos R$ 5,7 bilhão previsto para o fundão que financia a campanha eleitoral R$ 1 bilhão e direcionou para Educação.

Agência Senado

- Atualizada em 26/03/2022 às 18h49
Relator setorial Wellington Fagundes tira R$ 1 bilhão do fundão eleitoral de 2022
Relator setorial Wellington Fagundes tira R$ 1 bilhão do fundão eleitoral de 2022 (Geraldo Magela/Agência Senado)

O relator setorial de Educação no projeto de Lei Orçamentária de 2022, senador Wellington Fagundes (PL-MT), disse nesta terça-feira, 21, que a área deve receber um adicional de R$ 1 bilhão no Orçamento de 2022. O dinheiro deve ser retirado do fundo eleitoral, que passa a ter previsão orçamentária de R$ 4,7 bilhões.

"Queremos garantir que este seja o Orçamento da Educação e da Ciência e Tecnologia. Conseguimos agora R$ 1 bilhão do Fundo Eleitoral para ser carreado para a Educação. Vamos chegar àquilo que era a meta: mais de R$ 140 bilhões para a Educação", disse Wellington Fagundes.

A votação do projeto de lei (PLN 19/2021) na Comissão Mista de Orçamento (CMO) está prevista para o início da tarde desta terça. Se for aprovada no colegiado, a matéria deve ser levada ao Plenário do Congresso Nacional, em sessões convocadas para as 14h (deputados) e as 17h (senadores). Segundo o relator setorial, parte do dinheiro transferido do fundo eleitoral para a Educação deve ser aplicado na conclusão de obras inacabadas.

"Alocamos mais R$ 400 milhões. A prioridade de toda a CMO é para a conclusão das obras inacabadas. Por isso o FNDE [Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação] terá o recursos para concluir creches e escolas que estão paralisadas há muito tempo. Uma obra parada é desperdício de dinheiro público", afirmou.

O presidente da Comissão de Educação, senador Marcelo Castro (MDB-PI), defendeu a transferência de recursos do fundo eleitoral para a Educação.

"Quando falamos em fundo eleitoral, estamos falando de recursos públicos, dinheiro dos brasileiros que pagam impostos com muita dificuldade. Sendo assim, precisamos ser parcimoniosos. O valor do fundo deve ser o mínimo indispensável para uma campanha legítima e com equidade de recursos entre os candidatos. Por mim, ficaria em R$ 4 bilhões, mas o consenso entre os parlamentares foi de R$ 4,7 bilhões", disse Castro.

O senador afirmou ainda que a complementação de voto do deputado Hugo Leal deve prever R$ 1,7 bilhão para a reestruturação de carreiras da área da segurança pública. Marcelo Castro, no entanto, não detalhou quais categorias devem ser beneficiadas com o aumento.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.