Viva Bem

Viva Bem: falta de acessibilidade ainda é o maior desafio para pessoas com deficiência

O secretário municipal da pessoa com deficiência Carlivan Braga explica de que forma os órgãos públicos têm se mobilizado para suprir as demandas das pessoas com deficiência.

Anne Cascaes / Na Mira

- Atualizada em 20/09/2022 às 10h11

SÃO LUÍS - O Dia Nacional da Luta da Pessoa com Deficiência é comemorado nesta quarta-feira (21). A data tem o objetivo de conscientizar toda a sociedade sobre a importância da inclusão e fazer com essa luta seja abraçada por todos. 

A falta de acessibilidade tem um grande impacto para a comunidade PCD que, por vezes, pode passar despercebido para quem não é ou não convive com uma pessoa com deficiência. Com a pandemia, por exemplo, a falta de programações acessíveis dificultou a compreensão de pessoas surdas sobre informações básicas da Covid-19.

Perguntas como “De que forma a Covid-19 é transmitida?”, “A vacina é paga?”, “O que fazer para evitar a infecção?” apesar de serem respondidas diariamente nas programações midiáticas, não chegavam a quem não conseguia ouvir.

Foi a partir disso que o intérprete de libras Paulo Eduardo começou, junto com sua esposa, a retransmitir programações informativas em seu canal do Youtube para que a comunidade surda pudesse ter acesso a informações básicas do dia a dia.

A intérprete Jacinilde Estrela, junto com seu esposo Paulo Eduardo, realizaram transmissões voluntárias para levar acessibilidade ao público PCD. (Foto: reprodução / Youtube)
A intérprete Jacinilde Estrela, junto com seu esposo Paulo Eduardo, realizaram transmissões voluntárias para levar acessibilidade ao público PCD. (Foto: reprodução / Youtube)

“Quando a gente se coloca do outro, a dor vem grande. A gente viu que a inquietação era muito grande, eram perguntas bem básicas que chegavam até nós. Então, na sala de casa mesmo, a gente ligava a televisão e ficávamos ao lado interpretando ao vivo em nosso canal”, explica Paulo. 

Políticas públicas

Em São Luís, uma secretaria dedicada às pessoas com deficiência é algo recente. Em apenas um ano e sete meses, o secretário Carlivan Braga, que já milita há 12 anos pela causa PCD, explica de que maneira o órgão ampara a causa PCD na capital maranhense. 

“A política da pessoa com deficiência é transversal, ou seja, ela perpassa por todas as outras políticas. E assim trabalha a secretaria da pessoa com deficiência, dialogando, conversando, orientando e coordenando algumas ações que outras secretarias tem o dever de executar”, enfatiza Carlivan. 

No Viva Bem desta semana, o programa mostra quais são os principais desafios ao avanço da conscientização da luta PCD em São Luís.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.