Pela Unesco

Bumba Meu Boi do Maranhão recebe título de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade

O título de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade irá contribuir com a preservação da cultura do Bumba Meu Boi, que agora tem reconhecimento mundial.
Imirante.com, com informações do Iphan11/12/2019 às 15h40

A expressão cultural representa, também, o sincretismo religioso.

Foto: divulgação

MARANHÃO - É oficial, o Complexo Cultural do Bumba Meu Boi do Maranhão recebeu o título de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. O título foi concedido nessa quarta-feira (11), durante a 14ª Reunião do Comitê Intergovernamental para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial, da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), em Bogotá, Colômbia.

O ministro do turismo, Marcelo Álvaro Antônio, comemorou o reconhecimento da Unesco e destacou que a decisão só reafirma nossa cultura riquíssima, que merece ser conhecida por todo o mundo. Para o ministro, o Maranhão é extremamente rico em atrativos culturais e naturais. “Essa diversidade está organizada em dez polos turísticos, cada um com suas vertentes naturais, culturais e arquitetônicos. E o bumba meu boi retrata toda essa diversidade, pois congrega diversos bens associados em uma única manifestação: performances musicais e teatrais, design e artesanato. É um bem que sintetiza toda a riqueza cultural que o nosso país possui”, afirmou.

A decisão também foi comemorada pelo secretário Especial da Cultura, Roberto Alvim. “É o Brasil mostrando a força de sua cultura para o mundo. Esse reconhecimento não só fortalece o Bumba meu Boi do Maranhão como expressão cultural, garantindo a preservação deste bem, mas vem para agregar valor a esse imenso e rico repertório cultural que temos no Brasil e que, cada vez mais, tem sido valorizado mundialmente”, disse ele.

Essa riqueza popular foi reconhecida pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) como Patrimônio Cultural do Brasil em 2011 e, agora, tem reconhecimento mundial como uma expressão cultural extraordinária e uma verdadeira obra de arte

Foto: Divulgação

O diretor do Departamento de Patrimônio Imaterial (DPI-Iphan), Hermano Queiroz, presente na reunião da Unesco, celebra o resultado. “Foi grande o trabalho e longo o caminho percorrido para se chegar a esse momento. O Complexo Cultural possui criatividade impar, sendo uma das manifestações mais importantes do país e agora também de toda a Humanidade".

Para o Superintendente do Iphan no Maranhão, Maurício Abreu Itapary, o título de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade para o Complexo Cultural do Bumba Meu Boi do Maranhão é de grande importância para a cultura do Maranhão e do Brasil.

“Na realidade, o reconhecimento da Unesco é de grande importância para a cultura do Estado e do país. Esse título de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade traz uma grande visibilidade para a cultura maranhense”, disse o superintendente do Iphan no Maranhão.

Maurício Itapary ainda destaca a importância de todos que fizeram parte para conquista do título de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. “Quero agradecer a todos que ajudaram neste processo de reconhecimento. Viva a comunidade boieira! Viva a cultura do Maranhão!”, disse o superintendente.

Leia também:

Bumba Meu Boi pode se tornar patrimônio imaterial da humanidade

Exposição de arte abstrata representa aspectos da cultura popular

Entenda o processo para candidatura do Bumba Meu Boi do Maranhão para Patrimônio da Humanidade

Bolsonaro sanciona lei que torna São Luís Capital Nacional do Bumba Meu Boi

Dia Nacional do Bumba Meu Boi é celebrado nesta terça (25)

O Complexo Cultural do Bumba Meu Boi do Maranhão já é reconhecido nacionalmente como um testemunho da grande capacidade de criatividade humana e uma expressão cultural de alta relevância para memória, diversidade cultural e histórica do Brasil. Essa riqueza popular foi reconhecida pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) como Patrimônio Cultural do Brasil em 2011 e, um ano depois, na solenidade de titulação realizada em São Luís, o Comitê Gestor da Salvaguarda do Bumba-meu-boi entregou ao Iphan o documento solicitando a inscrição na Lista Representativa da Unesco. Agora, o Bumba Meu Boi tem reconhecimento mundial como uma expressão cultural extraordinária e uma verdadeira obra de arte.

Veja o vídeo da candidatura do Bumba meu Boi do Maranhão a Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade, divulgado pelo Iphan no dia 4 de dezembro de 2019.

O Bumba-meu-boi do Maranhão é considerado um Complexo Cultural por abranger vários elementos. Ele é apresentado em forma de auto, tem característica de teatro, tem um teor de comédia, religiosidade, artesanato, tem muita musicalidade e coreografia, além de ser um forma de pagar promessas. Outra questão que chama atenção é a diversidade de sotaques do Bumba Meu Boi, os quais são ricos e encantadores, se diferenciando nos instrumentos e indumentárias.

“O Bumba meu boi realizado no Maranhão é considerado um Complexo Cultural por congregar diversos bens associados em uma manifestação. No campo da expressão popular, por exemplo, apresenta performances dramáticas, musicais e coreográficas, destacando-se ainda a riqueza das tramas e personagens. Já no plano material, podem ser apreciados os artesanatos, como os bordados do couro do boi e das indumentárias de seus personagens, os instrumentos musicais confeccionados artesanalmente, entre outros”, destaca o Iphan.

O Bumba-meu-boi do Maranhão é considerado um Complexo Cultural por abranger vários elementos.

Foto: Reprodução

O título de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade irá contribuir com a preservação da cultura do Bumba Meu Boi, pois esse incentivo a tradição atrai pessoas de todas s partes do Brasil e do Mundo para ver esse espetáculo. Além de ser uma forma de valorizar a cultura, também atrai o turismo, gera renda e emprego, ou seja, melhora a economia local.

Tradição

A tradição do boi vem desde a antiguidade clássica, na Grécia, chega à Península Ibérica e depois vem para o Brasil, onde é ressignificada. É uma manifestação cultural que reúne todas as etnias: índios, negros e brancos europeus.

Diz a lenda que um fazendeiro branco português tinha um touro preferido em sua fazenda. No local, havia ainda um vaqueiro negro cuja mulher, Catilina, estava grávida. A mulher manifesta ao marido o desejo de comer a língua do touro preferido do fazendeiro. Ela convence o marido a matar o boi e tirar sua língua.

O vaqueiro satisfaz o desejo da mulher, mas quando o patrão começa a procurar seu boi de estimação, o vaqueiro se desespera, vai para a floresta e conta o que aconteceu ao pajé. O indígena vai para a fazenda, faz uma pajelança e o boi ressuscita. Com isso, uma grande festa é realizada na fazenda. O auto do boi tem ligação com a questão da morte e da ressurreição.

“Muitas vezes definido como um folguedo popular, o bumba meu boi extrapola o aspecto lúdico da brincadeira para fazer sentido como uma grande celebração em cujo centro gravitacional encontram-se o boi, o seu ciclo vital e o universo místico-religioso. Considerado a mais importante manifestação da cultura popular do Estado, tem seu ciclo festivo dividido em quatro etapas: os ensaios, o batismo, as apresentações públicas ou brincadas, e a morte. É vivenciado pelos brincantes ao longo de todo o ano”, detalha o Iphan.

Outra história ligada ao Bumba Meu Boi diz que o Rei de Portugal, Dom Sebastião, vai lutar na África e desaparece no meio do deserto, mas seu corpo não é encontrado. A lenda diz que durante a batalha, aparece um touro negro, chamado no Maranhão de boi encantado, que abre a barriga e o rei desaparece dentro dela. A história é ligada a religiões de matriz africana.

A expressão cultural representa, também, o sincretismo religioso, por meio da conexão entre os santos juninos da Igreja Católica, São Pedro, São João e São Marçal e os espíritos das florestas dos pajés. A aprovação da Unesco como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade é uma prova, também, da autenticidade e da relevância do Bumba Meu Boi para a identidade cultural do país.

“Profundamente enraizado no cristianismo e, em especial, no catolicismo popular, o bumba meu boi envolve a devoção aos santos juninos São João, São Pedro e São Marçal, que mobilizam promessas e marcam algumas datas comemorativas. Os cultos religiosos afro-brasileiros do Maranhão, como o Tambor de Mina e o Terecô, também estão presentes nessa celebração, uma vez que ocorre o sincretismo entre os santos juninos e os orixás, voduns e encantados que requisitam um boi como obrigação espiritual”, explica o Iphan.

Lista de bens

Com esse título da Unesco, o Complexo Cultural do Bumba Meu Boi é agora o sexto bem brasileiro a integrar a lista internacional. Os demais são: Arte Kusiwa - Pintura Corporal e Arte Gráfica Wajãpi (2003), o Samba de Roda no Recôncavo Baiano (2005), o Frevo: expressão artística do Carnaval de Recife (2012), o Círio de Nossa Senhora de Nazaré (2013) e a Roda de Capoeira (2014).

De acordo com o Iphan, a seleção de um bem cultural registrado para a Lista Representativa do Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade deve obedecer os seguintes critérios: o bem cultural é importante para o estabelecimento ou para o fortalecimento do diálogo entre os vários contextos culturais existentes no mundo; é representativo dos processos culturais constitutivos da sociedade brasileira e das várias situações sociais, ambientais e geopolíticas existentes no país; a candidatura do bem cultural contribui para reforçar a imagem culturalmente diversificada do Brasil no exterior; e o bem cultural transcende sua base social originária e possui, atualmente, significado para amplas parcelas da população Brasil.

Leia outras notícias em PortalNamira.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.