Duplo homicídio

Polícia não descarta possibilidade de outros envolvidos na morte dos pais do deputado Cléber Verde

Crime completa uma semana nesta terça-feira (21).
Imirante.com, com informações do G1-MA20/07/2020 às 10h29
Polícia não descarta possibilidade de outros envolvidos na morte dos pais do deputado Cléber VerdeDeputado federal Cleber Verde ao lado de seus pais que foram assassinados. (Foto: Arquivo Pessoal)

TURIAÇU - Após quase uma semana, a possibilidade do envolvimento de outras pessoas na morte dos pais do deputado federal Cleber Verde (Republicanos) ainda não é descartada pela Polícia Civil. O crime contra o casal foi registrado na última terça-feira (14), em uma fazenda situada na zona rural do município de Turiaçu, distante 154 km de São Luís.

Saiba mais:

Secretário afirma que morte dos pais do deputado federal Cleber Verde foi duplo latrocínio

Polícia procura terceiro suspeito da morte dos pais do deputado federal Cleber Verde​

Homem é preso por participação em latrocínio contra os pais do deputado Cleber Verde​

De acordo com o superintendente de Polícia Civil do interior, delegado Guilherme Campelo, com a prisão do casal identificado como Alessandra Nascimento, de 20 anos, e Jeferson Silva da Costa, no domingo (19), a polícia agora vai pedir junto a Justiça pela prisão temporária no prazo de 30 dias dos suspeitos a fim de investigar a participação do casal no crime.

“Temos agora mais dois presos. A Polícia Civil já coligiu aos autos do inquérito policial diversos elementos de prova que apontam para a participação de mais esse casal na prática desse crime bárbaro. As investigações ainda estão em andamento. É uma prisão temporária pelo prazo de 30 dias e a Polícia Civil não descarta também a participação de outros elementos envolvidos no crime”, revelou o delegado.

Ainda segundo o superintendente, Alessandra Nascimento e Jeferson Costa confirmaram que estiveram no local do crime, mas que não teriam participado da ação. Entretanto, durante seus depoimentos, o casal entrou em contradição.

“A princípio confirmam que estiveram lá pelo local. No entanto afirmam que não teriam participado da execução em si. Contudo entram em diversas contradições em seus depoimentos. Fatos esses que vão de encontro a tudo que nós temos colhido no inquérito policial. O trabalho da Polícia Civil segue tanto para verificar a participação de outros suspeitos justamente para confrontar os elementos que temos colhido com o depoimento, da versão dos suspeitos presos até o momento”, disse o delegado Guilherme Campelo.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.