Vida | Isolamento e EAD

Quebra de rotina na pandemia tem impacto na saúde mental de estudantes

Pais sobrecarregados e afastamento das rotinas conhecidas por crianças e adolescentes geram estresse e atrapalham a aprendizagem
16/12/2020 às 18h30
Quebra de rotina na pandemia tem impacto na saúde mental de estudantesDivulgação

São Paulo - Alteração drástica na rotina, afastamento dos amigos, confinamento, incertezas. A pandemia de Covid-19 transformou a vida de milhões de estudantes em todo o mundo. No Brasil, um levantamento aponta que, entre as crianças de 6 a 11 anos, 55,8% demonstraram nível de estresse alto e outras 38,5%, moderado. Além disso, 23,5% delas indicaram que não estão sabendo lidar com esse estresse. Entre os adolescentes o cenário também é preocupante. 74% deles apresentam algum nível de estresse e 11% admitem que não estão conseguindo administrar bem a situação. A pesquisa faz parte do Projeto Fique Bem, elaborado pela equipe de assessores de Educação Física e Arte do Sistema Positivo de Ensino, em parceria com a PsiCOVIDa, uma força-tarefa formada por pesquisadores e professores universitários do Brasil e exterior.

Para falar sobre as consequências da pandemia para a saúde mental dos estudantes e como mitigar esses impactos, o 16º episódio do podcast PodAprender convidou o especialista em psiquiatria da infância e adolescência Gustavo Mechereffe Estanislau e a psicóloga e psicoterapeuta Rosane Voltolini.

Para Estanislau, que também é membro da equipe do Instituto Ame Sua Mente, um dos maiores problemas decorrentes da pandemia é a modificação das rotinas pré-estabelecidas que as crianças e adolescentes tinham há muitos anos. “De uma hora para a outra, houve uma quebra nessas rotinas. Além disso, ao longo dos meses de pandemia os estudantes foram afastados de uma série de estímulos que eles tinham quando, por exemplo, saíam para ir à escola, e que faziam com que eles se sentissem motivados”, diz.

Outra dificuldade para frear esses impactos é o fato de que os pais e responsáveis também estão, em grande medida, sofrendo as consequências da pandemia. Horários de trabalho estendidos e o acúmulo de funções profissionais e domésticas podem causar um desequilíbrio emocional também nos adultos.

“Não há como não ser impactado pela rotina dos adultos. Essas crianças estão dentro de casas com adultos que estão, eles mesmos, em desequilíbrio. As perdas que esses jovens tiveram já pesa bastante, como o afastamento dos amigos, por exemplo. E eles estão com adultos que também não sabem lidar com isso”, ressalta Rosane. Iniciativas como o Movimento Saber Lidar, liderado pela ASEC, são fundamentais em um momento como esse.

Justamente pelo grande volume de estudantes que enfrentam dificuldades quando o assunto é saúde mental, os professores também precisam se adaptar. “O professor está ressignificando o trabalho dele com as crianças, o que é difícil. Ele está em um processo de aprendizado e, ao mesmo tempo, precisa cuidar das crianças e do conteúdo que oferece a elas, porque o processo de aprendizagem também foi impactado. Os alunos não conseguem aprender da mesma forma que no ano passado”, lembra a psicoterapeuta. Por isso, segundo ela, é necessário ter mais paciência e encontrar estratégias para se aproximar dos alunos. Uma das formas de fazer isso é propor atividades para falar dos sentimentos e emoções. “Assim, cria-se um ambiente emocionalmente saudável para a criança falar como está se sentindo e o professor pode ter um termômetro para entender quem está conseguindo aprender e de que forma”, complementa Rosane.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte