Alternativo | Livro

Maranhense ganha destaque em coletânea poética

Willame Belfort teve texto selecionado pela Darda Editora, do Rio de Janeiro, para compor a coletânea "Ciranda Poética"
28/10/2020

São Luís - O jovem maranhense Willame Belfort é um dos selecionados para compor a coletânea “Ciranda Poética”, da Darda Editora, localizada em Campos dos Goytacazes (RJ). Poeta, escritor, pianista e compositor erudito, o artista também é professor da rede pública de ensino.
A conquista teve início ainda em abril deste ano, quando a editora publicou em seu site um edital nacional para seleção de textos poéticos destinados ao público infantil para compor a coletânea “Ciranda Poética”. O curioso é que, obrigatoriamente, os autores aprovados ficariam restritos à inserção de dois poemas apenas, segundo a cláusula presente no regulamento de inscrição. Contudo, mesmo diante do documento formalizado pela própria editora, a equipe técnica incumbida para a seleção, após analisar os escritos de Willame, o contataram imediatamente via e-mail.
“Eles escreveram: ‘Bom dia. Parabenizamos você pela seleção no livro Ciranda Poética. Contudo, não gostaríamos de ter de escolher 2 dos 9 poemas enviados, disseram eles em e-mail enviado no dia 4 de abril de 2020”, relembra.
A editora deu lugar de destaque ao jovem escritor maranhense que, ao lado de outro escritor, o carioca Tauã Lima Verdan Rangel, são os únicos autores participantes a ocupar mais de duas laudas da coletânea, neste caso nove. O livro foi organizado por Fernanda Mothé e conta com as ilustrações de Jota Cabral. Devido à pandemia, somente na sexta-feira (22), os autores puderam ter em mãos os exemplares da obra.
Poemas do autor maranhense presentes no livro: “Alí-teração”, “Trava, trava, trava-língua”, “Lembrança Pueril”, “O trem do meu bairro”, “Peraltíces”, “Rosas-Cirandeiras”, “Quando me der vontade”, “Café da manhã” e “Bem-Ti-Vi”.
Willame tem dois livros solos de poesia, “O intenso por extenso” e “Cartas, haicais e outros poemas: escritos sob a saudade”, que resultam de seu namoro com a jovem Louryellen Costa. É docente no Núcleo de Atividades de Altas Habilidades/Superdotação Joãosinho Trinta e “Imortal” pela Academia de Artes, Ciências e Letras do Brasil.
Mesmo em tempo de pandemia continua produzindo intensivamente. Um exemplo é o seu terceiro livro, “Meia dúzia de poemas foi o que me deu na telha”, que está em fase de construção e terá edição bilíngue. l

Para continuar aproveitando o conteúdo de O Estado faça seu login ou assine.

Já sou assinante

entrar

Ainda não sou assinante

Assine agora

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte