Cidades | Comunidade Acadêmica

Movimento estudantil da UFMA publica carta aberta contra suposto autoritarismo da instituição

​De acordo com o documento, a reitoria tem tomado decisões antidemocráticas e que excluem os movimentos
Kethlen Mata/ O Estado19/06/2020 às 12h20
Movimento estudantil da UFMA publica carta aberta contra suposto autoritarismo da instituiçãoReprodução

São Luís - Os movimentos estudantis da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) – Diretório Central de Estudantes (DCE) e os Centros e Diretórios Acadêmicos (C.As e D.As) – publicaram carta aberta a sociedade acadêmica e a sociedade maranhense, nesta sexta-feira, 19. O documento alega um possível autoritarismo por parte da universidade.

No documento, a comunidade acadêmica criticou medidas tomadas pelo Campus. “Vimos a Administração Superior da UFMA, na gestão do Reitor Natalino Salgado, adotar uma série de medidas autoritárias sem estabelecer quaisquer diálogos com a comunidade acadêmica e desconsiderando as entidades representativas dos estudantes”, afirma os movimentos, em trecho da carta.

A primeira medida citada, foi a Resolução (Consepe1.999/2020), aprovada “Ad referendum”, que estabelece o retorno das atividades acadêmicas, por meio do ensino remoto, publicada no dia 18 de maio. Em mais um trecho, a publicação questiona as medidas da reitoria. “Valendo-se de uma “consulta” realizada por um “Formulário Online” - frágil e inconsistente -, sem qualquer segurança digital, que circulou nos e-mails dos estudantes, a administração superior, utilizou-se do resultado para respaldar a Resolução. Ignorando as condições dos estudantes, no que tange o acesso à internet, as tecnologias e fatores psicológicos”.

A comunidade acadêmica também se disse surpreendida com a notícia de que o reitor, Natalino Salgado, havia empossado os representantes estudantis nos Conselhos Superiores da Universidade, sem seguir as instâncias deliberativas do Movimento Estudantil. “A posse desses estudantes é algo muito grave, pois além deles não terem sido indicados e reconhecidos pelos estudantes, assumem a tarefa de aprovarem os projetos autoritários do MEC e desta reitoria sem representar de fato a vontade e necessidade dos discentes na universidade”, ressalta mais um trecho da carta.

Os estudantes também manifestaram repúdio a uma suposta intervenção da Polícia Federal, na instituição, sob justificativa de investigação contra fake news. O documento fez ainda uma denúncia. “Repudiamos qualquer intervenção da polícia no Campus citado e denunciamos a ação que subtraiu aparelhos e computadores da sala da entidade dos estudantes, sem quaisquer comunicados”.

O Estado entrou em contato com a UFMA e segue esperando uma resposta da universidade.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte