Política | Defesa

Hildo Rocha defende para Bolsonaro permanência de Kátia Bógea no Iphan

Em defesa da gestora, a Frente Parlamentar em Defesa do Patrimônio Histórico Nacional apresentou carta ao presidente da República pedindo a permanência de Bógea
Carla Lima/Editora de Política03/12/2019 às 09h13
Hildo Rocha defende para Bolsonaro permanência de Kátia Bógea no IphanKátia Bógea está a 39 anos no Iphan. Deste tempo, 13 anos foi a frente do Iphan no Maranhão e desde o governo Temer vem comandando o órgão nacionalmente. (Divulgação)

O governo de Jair Bolsonaro iniciou uma série de mudanças na área de Cultura e um dos alvos poderá ser a presidente nacional do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Kátia Bogéa. Em defesa da gestora, a Frente Parlamentar em Defesa do Patrimônio Histórico Nacional apresentou carta ao presidente da República pedindo a permanência de Bogéa.

Desde que assumiu a Secretaria de Cultura, Roberto Alvim vem fazendo uma série de mudanças em cargos chaves na área o que tem levado uma reação de deputados e senadores já que os cargos são indicações principalmente do MDB, Republicanos e PP.

Entre os nomes que estariam na lista de demissões está o da presidente do Iphan, Kátia Bogéa, que vem comando o instituto desde a gestão de Michel Temer. Antes, ela foi superintendente do Iphan no Maranhão, cargo que permaneceu por 13 anos. No total, de Iphan, Bógea tem 39 anos já que é técnica no instituto.

Em defesa da permanência de Bogéa veio o deputado federal do Maranhão, Hildo Rocha (MDB), que como presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Patrimônio Histórico Nacional, enviou carta ao presidente Jair Bolsonaro explicando a importância de Kátia Bogéa para o órgão.

A O Estado, Rocha – que está em missão da Câmara dos Deputados nos Emirados Árabes – disse que sua intenção foi mostrar que Kátia Bogéa é uma técnica e que vem desenvolvendo ao longo dos anos um trabalho de extrema importância para o Brasil e para o Maranhão.

“O que queremos mostrar é que Kátia Bogéa é uma técnica de mão cheia e que vem desenvolvendo um excelente trabalho no Iphan”, afirmou.

Fora do Brasil, Hildo Rocha não tem informações sobre o resultado, mas falou com o filho do presidente da República, Eduardo Bolsonaro (que também está nos Emirados Árabes), sobre não mexer no comando nacional do Iphan.

Mesmo recebendo o apoio da Frente Parlamentar, a superintendente do Iphan diz que não tem indicação política e que seu trabalho é técnico.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte