Força dos ventos

Geração de energia eólica no Maranhão tem crescimento de 33,3%, diz boletim

Estado ocupa a sétima posição no ranking, tanto em geração quanto em capacidade instalada, entre 10 unidades da federação que possuem parques geradores de energia em funcionamento no país a partir da força dos ventos

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h22
Aerogeradores do Complexo Eólico Delta 3, da Omega Energia, instalados entre Barreirinhas e Paulino Neves
Aerogeradores do Complexo Eólico Delta 3, da Omega Energia, instalados entre Barreirinhas e Paulino Neves

Dados consolidados do boletim InfoMercado Mensal da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) indicam crescimento de 33,3% na geração de energia eólica no Maranhão e de 48,9% na capacidade instalada do estado para a produção de energia a partir da força dos ventos. Os dados correspondem ao período de janeiro a agosto deste ano, no comparativo a igual intervalo de tempo de 2018.

Este ano, segundo a CCEE, o Maranhão 122,5MW médios de energia eólica, para uma capacidade instalada de 328,8MW. O estado ocupa a sétima posição, tanto em geração quanto em capacidade instalada, entre 10 unidades da federação que possuem parques geradores de energia em funcionamento a partir da força dos ventos.

Em termos de Brasil, a geração de energia eólica em operação comercial no país cresceu 14,7%. De janeiro a agosto de 2019, foram gerados 5.501,52 MW médios ante 4.794,91 MW médios no mesmo período de 2018.

Em agosto último, as usinas eólicas registraram o recorde de geração da fonte, alcançando 8.610 MW médios, crescimento de 22,7% em relação ao mesmo mês do ano passado, quando foram registrados 7.017,56 MW médios. O aumento é decorrente da ampliação do número de empreendimentos ativos pelo país.

A CCEE contabiliza 599 usinas eólicas em operação comercial no país, ao final de agosto, somando 15.100,2 MW de capacidade instalada, incremento de 14,3% frente aos 13.212,4 de capacidade das 513 unidades geradoras existentes em agosto de 2018.

Quando a análise foca na geração por estado, a Bahia é o maior produtor de energia eólica no país com 1.815,9 MW médios de energia entregue em 2019 (janeiro a agosto) ante os 1.162,8 MW médios no mesmo período em 2018. Na sequência, aparecem o Rio Grande do Norte com 1.331 MW médios; o Piauí com 676,5 MW médios; o Ceará com 629,3 MW médios; e Rio Grande do Sul com 559,4 MW médios.

Os dados consolidados da CCEE confirmam ainda que o estado da Bahia tem a maior capacidade instalada para a produção de energia a partir da força dos ventos, somando 4.022,4 MW em agosto. Em seguida aparece o Rio Grande do Norte com 3.935,9 MW; o Ceará com 2.347,7 MW; o Rio Grande do Sul com 1.777,9 MW; e o Piauí com 1.638,1 MW.

Mais

Sobre a CCEE

A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE (www.ccee.org.br) é responsável por viabilizar e gerenciar a comercialização de energia elétrica no país, garantindo a segurança e o equilíbrio financeiro deste mercado. A CCEE é uma associação civil sem fins lucrativos, mantida pelas empresas que compram e vendem energia no Brasil. O papel da CCEE é fortalecer o ambiente de comercialização de energia – no ambiente regulado, no ambiente livre e no mercado de curto prazo – por meio de regras e mecanismos que promovam relações comerciais sólidas e justas para todos os segmentos do setor (geração, distribuição, comercialização e consumo).

Números

122,5

MW médios de energia eólica foram gerados no período de janeiro a agosto deste ano no Maranhão

328,8

MW é a capacidade instalada do Maranhão para a produção de energia a partir da força dos ventos

599

Usinas eólicas foram registradas em operação comercial no país até o fim de agosto, segundo a CCEE

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.