Cidades | Desgaste

Pavimento do calçadão da Litorânea desmorona e traz risco à população

Calçadão cedeu e coloca em risco pedestres e banhistas; trecho fica perto da área onde estão sendo feitos os trabalhos para implantação do BRT
Nelson Melo / O Estado25/10/2019
Pavimento do calçadão da Litorânea desmorona e traz risco à populaçãoCalçadão cedeu e deixou trecho perigoso para banhistas e esportistas (De Jesus / O ESTADO)

O calçadão da Avenida Litorânea, em São Luís, no trecho do prolongamen­to, desmoronou, o que está preocupando banhistas, pedestres e vendedores ambulantes. O piso, em situação precária, teria ruído pela força da água do mar, de acordo com informações obtidas por O Estado. Segundo declarações de comerciantes, várias pessoas já se machucaram ali.

O concreto quebrado do piso desmoronado gerou um desnível no calçadão, com várias pedras em evidência, sendo algumas com formato pontiagudo, o que aumenta o risco de que alguém se machuque. O trecho precário fica ao lado da reestruturação da Litorânea, que interligará as praias de São Marcos, Calhau, Caolho e Olho d’Água, como parte do processo de implantação do sistema de tráfego do Transporte Rápido por Ônibus (BRT).

Um vendedor de coco disse a O Estado que o piso desabou há pouco mais de seis meses. Isso teria ocorrido devido à força da maré, que, de tanto invadir a parte da calçada, acabou desestabilizando a estrutura. Aos poucos, as pedras se desprenderam, o que criou as rachaduras. “E pior que isso está acontecendo ao lado dessas obras aí, do prolongamento. Quer dizer, enquanto há trabalhadores bem ali, aqui a situação só piora”, observou o rapaz.

Ele pontuou que já presenciou pedestres caindo nas pedras, quando descem até a faixa de areia para fazer “selfies” ou tombar banho no mar. “Como não tem descida aqui, o jeito é passar por essa parte quebrada do calçadão. Aí, acabam caindo. Já vi pessoas sangrando. É muito perigoso”, declarou o vendedor. Para os banhistas, a situação, realmente, é preocupante, pois o risco de se ferirem ao caminharem pelo trecho desmoronado é grande.

“Eu estou até evitando caminhar por aqui, pois o risco de queda é constante. Além disso, a estética do local fica comprometida. Infelizmente, a paisagem é afetada”, afirmou Clara Vieira, que pratica atividades físicas no local.

Em fevereiro de 2014, uma erosão costeira causou a destruição do pavimento do prolongamento da Litorânea, na via de passeio de pedestres, no trecho de 600 metros, que havia sido entregue em dezembro de 2012. Uma parte do calçadão foi “engolida” pela cratera. Na ocasião, o Município acionou a empresa que havia realizado a obra, para refazer o trabalho.

Extensão da avenida
Perto do calçadão que cedeu continua sendo feito o trabalho de reestruturação da Avenida Litorânea, que vai interligar as praias de São Marcos, Calhau, Caolho e Olho d’Água. Existe a previsão de entrega da primeira fase das obras em dezembro deste ano. O objetivo é implantar o BRT, que tem aspecto intermunicipal e contará com dois terminais de integração. Para esse projeto de mobilidade urbana, os veículos, que percorrerão um corredor exclusivo com sistema de semáforos ininterruptos, serão biarticulados. Com a implantação des­se sistema de tráfego binário do BRT, está ocorrendo a requalificação da orla da Litorânea.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte