COLUNA

Dados ambientais no Maranhão

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h23

Os números mais uma vez deixam o Maranhão em situação nada agradável para que os seus gestores possam criticar o Governo Federal. Desta vez, a questão é a queimada no Nordeste. Pelos dados do próprio governo estadual, o Maranhão ocupa o primeiro lugar no ranking regional de focos de queimadas.
De fato, a maior política de preservação do meio ambiente vem da União, mas isto não diminui em nada a responsabilidade da gestão estadual.
O ex-ministro do Meio Ambiente e atual secretário da área no Distrito Federal, Sarney Filho (PV), disse que, para evitar o desmatamento e as queimadas, são necessárias ações que passam por investimentos em órgãos como o Ibama e também em ações conjuntas entre os governos Federal e estaduais.
No caso do Maranhão, ações deste tipo são praticamente impossíveis devido a postura dos chefes dos Executivos. O presidente Jair Bolsonaro (PSL) e o governador Flávio Dino (PCdoB) ocupam posição oposta no campo ideológico e acabaram levando para as suas gestões deixando de lado o mais importante que é a população.
Diante disto, o Brasil não anda bem no cenário mundial com as queimadas na Amazônia, e o Maranhão é um dos estados com maiores foco na Região Nordeste. Situações complicadas, que precisam de uma ação coordenada para evitar mais prejuízos ambientais.
Sinal de que nem em nível nacional e nem regional há uma real preocupação com o Meio Ambiente. A questão passa mais por ganhos de dividendos políticos para 2022 e quase nada por uma gestão responsável no Brasil e no Maranhão.

Ações
Diante dos dados do próprio governo estadual, Flávio Dino usou as redes sociais para admitir - em parte - que há problemas com queimadas no Maranhão.
O governador garante que medidas estão sendo tomadas e ações feitas para combater os incêndios em áreas ambientais.
Um das medidas foi um decreto assinado ontem que proíbe o uso de fogo em áreas de plantações. Segundo Dino, esta é uma forma de prevenir focos de incêndios.

Estratégia
As declarações do governador do Maranhão vieram também um dia antes da reunião do presidente Jair Bolsonaro com os governadores da Amazônia Legal.
Para aliados de Bolsonaro, o comunista quis mostrar que há políticas ambientais no Maranhão sendo aplicadas e que com isto houve redução dos focos de queimada.
Outro discurso de Dino nesta reunião será a de que nesta época do ano, a chamada estiagem, é quase natural haver focos em regiões mais secas.

Dino disposto
E defendendo o governo estadual veio o presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, Othelino Neto (PCdoB), que afirmou em podcast que o governador Flávio Dino está disposto a ajudar o Governo Federal na proteção da Amazônia Legal.
De acordo com o parlamentar, é preciso que o Governo Federal lidere o processo, em vez de “ficar inventando culpados”.
Para o comunista, trata-se de um tema que assusta a população e deve ser combatido, independentemente de posição política ou ideológica.

Até quando?
Mais uma vez, as discussões acerca do Plano Diretor de São Luís foram adiadas ontem. Mesmo com o quórum mínimo para abertura dos trabalhos, os parlamentares não iniciaram a sessão.
Não houve justificativa para o fato, mas a questão é que não houve sessão e mais uma vez o debate sobre o novo texto do Plano Diretor foi adiado.
A expectativa é de que hoje finalmente os vereadores comecem as discussões acerca da maior lei urbanística da cidade.

AST em outra comissão
Nesta semana, o relatório do deputado federal Hildo Rocha (MDB), aprovado na semana passada na Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados e que defende a aprovação do Acordo de Salvaguardas Tecnológicas (AST) Brasil/EUA para uso de Alcântara, deverá ser lido na Comissão de Ciência e Tecnologia.
Ao mesmo tempo, parlamentares tentam “pular etapas” e encaminhar a matéria diretamente para o Plenário.
Enquanto isso, opositores ao tema tentarão, de todas as formas, “travar” o texto na Comissão de Ciência.

De volta

A prefeita em exercício de Paço do Lumiar, Paula da Pindoba (SD), assinou a filiação do município à Federação dos Municípios do Estado do Maranhão (Famem).
Paço do Lumiar havia saído da entidade por decisão do prefeito Domingos Dutra (PCdoB), logo após o resultado da eleição da Federação que levou à presidência Erlânio Xavier, prefeito de Igarapé Grande.
Segundo a prefeita, Paço do Lumiar tem necessidade de assessoramento tanto na área jurídica como em outros setores da gestão como saúde, educação, agricultura e programas federais.

DE OLHO

5.322 casos de queimadas foram registrados de abril a junho em 10 municípios do Maranhão, cuja maioria é de produção de soja.

E MAIS

• O quadro de saúde do deputado estadual Hélio Soares (PL) permanece estável. Ele sofreu um infarto, em Santa Inês, no último domingo, e teve que se submeter uma cirurgia para colocar um stent.

• Já sobre o estado de saúde de Domingos Dutra, prefeito de Paço do Lumiar - que está licenciado -, pouco se sabe. Somente pelas postagens em redes sociais feitas pela filha, Nathalia Dutra.

• O hospital em que Dutra está internado é proibido de soltar boletins médicos que mostrem o estado de saúde do gestor.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.