Tensão

Papa Francisco pede diálogo diante de tensão no Golfo Pérsico

Desde maio, região já foi palco de dois supostos ataques contra navios estrangeiros. O último aconteceu na quinta-feira,13, e atingiu dois petroleiros no mar de Omã

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h24
Papa Francisco manifesta preocupação com as tensões no Golfo Pérsico
Papa Francisco manifesta preocupação com as tensões no Golfo Pérsico (Reuters)

VATICANO - O papa Francisco expressou ontem, 16, sua preocupação com o aumento da tensão no Golfo Pérsico e pediu à comunidade internacional que favoreça o diálogo e a paz na região.

"Acompanho com preocupação o crescimento das tensões no Golfo Pérsico e convido todos a usar os instrumentos da diplomacia para resolver os complexos problemas dos conflitos no Oriente Médio, e faço um chamado à comunidade internacional para que dedique esforços para favorecer o diálogo e a paz", disse Francisco após a celebração do Angelus na cidade de Camerino, na região central da Itália, para onde viajou neste domingo para uma visita.

O papa se referia ao suposto ataque sofrido na última quinta-feira (13) por dois petroleiros estrangeiros no mar de Omã, a segunda ação de caraterísticas similares na região, depois que em maio outros quatro navios, dois deles sauditas, foram alvo de uma sabotagem.

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, acusou o Irã de estar por trás do incidente, depois de ter perpetrado ataques similares anteriormente, e levou suas denúncias ao Conselho de Segurança da ONU.

Acusação

O príncipe herdeiro Mohamed bin Salman, da Arábia Saudita, acusou o Irã pelos ataques a navios-petroleiros no Golfo Pérsico, segundo trechos de uma entrevista publicada ontem, 16.

"O regime iraniano não respeita a presença do premiê do Japão como convidado em Teerã, e respondeu a seus esforços diplomáticos atacando dois navios-tanque, um deles japonês", disse ao jornal "Asharq al-Awsat", referindo-se aos ataques de quinta-feira, nos quais o Irã negou envolvimento.

Na mesma entrevista, o príncipe afirmou que seu país não hesitaria em responder a ameaças: "Não queremos uma guerra na região, mas não teríamos dúvida em enfrentar qualquer ameaça ao nosso povo, à nossa soberania, à nossa integridade territorial e aos nossos interesses vitais."

Dois ataques registrados contra navios-petroleiros no Golfo Pérsico fizeram aumentar os preços internacionais do petróleo, em um contexto de tensão elevada entre Irã e Estados Unidos. Imediatamente, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, responsabilizou o Irã pelos ataques.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.