DOM | Comportamento

Fuja do preconceito contra os problemas emocionais

Segundo fisioterapeuta, com foco em saúde integrativa, cuidar da própria emoção é urgente e deveria ser visto como primeira necessidade; em vez disso, por preconceito, as pessoas deixam as emoções de lado, gerando dores e doenças que poderiam ser evitadas
17/02/2019 às 00h00

SÃO PAULO - O Brasil é um dos campeões em número de casos de depressão e transtornos de ansiedade. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), o mais alto índice da América Latina. Ainda assim, há receio de tratamentos que ajudem a cuidar das emoções. Qual o motivo? Segundo o fisioterapeuta com foco em saúde integrativa, Sergio Bastos Jr., que atua na Biointegral Saúde, em São Paulo, o medo de “estar doente” faz com que se deixe a saúde emocional de lado, enquanto o melhor seria manter a saúde da mente e das emoções, da mesma forma que a saúde física, em dia.

“Quantas vezes você já sentiu dores que surgiram do nada, sem explicação? E se eu disser que elas podem estar diretamente conectadas às suas emoções?”, reflete Sergio Bastos Jr. “E quantas doenças você tratou, de todas as formas, e elas teimaram em permanecer ou retornar, sem que haja um motivo físico para isso?”, completou. Segundo ele, de novo, podem ser suas emoções pedindo socorro.

Sergio Bastos Jr. explica que o receio de ser diagnosticado com uma doença emocional é tão grande, que as pessoas preferem sentir as dores, trata-las como sintomas apenas, ao invés de ir buscar o que efetivamente está causando aquele desconforto: “puro preconceito! A saúde da emoção, assim como a do corpo, nos faz mais fortes e mais felizes, nos proporciona bem-estar e faz com que a gente se conheça. Há sempre muito mais ganhos do que perdas em buscar a saúde emocional”.

A campanha Janeiro Branco
Durante o mês de janeiro, pela sexta vez consecutiva, esteve em andamento a campanha Janeiro Branco, que foi criada exatamente para orientar as pessoas sobre a necessidade de olhar para a mente, para as nossas emoções, e não fugir delas. A campanha é dedicada a mostrar à sociedade que os seres humanos são seres subjetivos e que essa complexidade tenha lugar de mais destaque em nossa cultura.

“Nós somos mais do que nossas dores e doenças. Somos mais do que as limitações do nosso corpo. E precisamos estar dispostos a investigar os efeitos que os acontecimentos têm em nossas vidas. Por isso é tão importante tratar crenças limitantes, memórias traumáticas e nossas emoções, para ter uma vida mais plena e saudável, sob todos os aspectos”, enfatiza Sergio Bastos Jr.

SAIBA MAIS

Os principais sintomas manifestados pelo corpo, devido a doenças emocionais, são:
- Batimentos cardíacos acelerados
-Tremores
-Respiração rápida
-Suor frio ou excessivo
-Boca seca
-Enjoos
-Dor no estômago
-Sensação de nó e dor no peito
-Dor nas costas e na cabeça
-Manchas vermelhas ou roxas na pele

Estes sintomas acontecem porque o estresse e a ansiedade fazem aumentar a atividade nervosa do cérebro, além de elevar os níveis de hormônios no sangue, como adrenalina e cortisol.

Muitos órgãos do corpo, como intestinos, estômago, músculos, pele e coração têm ligação direta com o cérebro, e são os mais afetados por estas alterações.
Com a persistência dos sintomas, é comum surgirem doenças que podem ser causadas ou pioradas por causas emocionais, como gastrite, fibromialgia, psoríase e pressão alta. Saiba mais sobre as doenças que podem surgir ou piorar por causas emocionais.

Em alguns casos, os sintomas são tão intensos que podem simular doenças graves, como infarto, AVC ou convulsões, por exemplo, e necessitam de rápido tratamento à base de ansiolíticos, como diazepam, em pronto atendimento.

12 dicas para manter a saúde mental e emocional

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte