Cidades | Meio ambiente

No Maranhão, projetos buscam a preservação de espécies ameaçadas

Segundo a Prefeitura de São Luís, somente na faixa de areia das praias da capital são coletadas 20 toneladas de lixo por dia; quando ingerido por animais marinhos, materiais oferecem risco de morte; alternativas podem minimizar a degradação
Monalisa Benavenuto / O Estado22/12/2018

A saúde de ecossistemas aquáticos reflete diretamente na qualidade da vida humana. Isso porque, conforme estimam pesquisadores e especialistas da área, as algas marinhas são responsáveis pela produção de mais da metade do oxigênio disponível no planeta. No entanto, nos últimos anos, fatores como a poluição de corpos hídricos causada, principalmente, por resíduos plásticos, têm representado uma grave ameaça à biota marinha. A partir desta preocupação, projetos como o Quelônios Aquáticos do Maranhão (Queamar) e o Instituto Amares atuam no cenário maranhense, a fim de garantir a preservação de espécies e educar a população para cuidados voltados para o meio ambiente.

Para continuar aproveitando o conteúdo de O Estado faça seu login ou assine.

Já sou assinante

entrar

Ainda não sou assinante

assine agora

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte