Cidades | BALNEABILIDADE

Quatro praias da capital estão impróprias, aponta laudo

Segundo laudo de balneabilidade, na praia da Ponta d’Areia todos os pontos foram considerados impróprios; somente as praias do Meio e Araçagi, no município de São José de Ribamar, foram declaradas próprias para banho
IGOR LINHARES / O ESTADO05/11/2018
Quatro praias da capital estão impróprias, aponta laudoBanhistas na praia de São Marcos, uma das quatro que estão impróprias de acordo com laudo de balneabilidade (balneabilidade)

De acordo com laudo de balneabilidade das praias de São Luís e Região Metropolitana, divulgado pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Naturais (Sema), dos 21 pontos analisados, 10 continuam impróprios para o banho. Na praia da Ponta d’Areia, que costuma ser frequentada por grande número de pessoas, todos os pontos foram considerados impróprios. Somente as praias do Meio e Araçagi, no município de Ribamar, foram declaradas próprias para o banho.
O último laudo divulgado pela Sema corresponde ao período de 30 de setembro a 28 de outubro e em pouco ou quase nada difere do divulgado ao período anterior. Praias da Ponta d’Areia, São Marcos, Calhau e Olho d’Água são afetadas pelo grave problema.
Com a falta de informação sobre os problemas de saúde que podem ter ao adentrar ao mar em um ponto impróprio para banho, centenas de banhistas têm aproveitado para se divertir nas praias da Ilha, onde 45% ainda estão contaminadas por esgotos in natura e outros líquidos também não tratados.

Motivos da impropriedade
Durante o período chuvoso, a impropriedade de alguns dos pontos analisados se dava pela Extrapolação dos Valores Máximos Permitidos para Enterococos, pelo carreamento de matéria orgânica oriunda da lavagem das vias públicas e drenagem fluvial para as águas marítimas.
Agora, com a estiagem, a Sema ressalta que, de acordo com a Resolução Conama 274/200 Art. 2º § 4º, se for verificada presença de resíduos ou despejos, sólidos ou líquidos, inclusive esgotos sanitários, óleos, graxas e outras substâncias, capazes de oferecer riscos à saúde ou tornar desagradável a recreação, o trecho pode ser considerado impróprio.
Em tese, a mesma resolução também pontua que a medida deve ser adotada quando em mais de 20% de um conjunto de amostras coletadas nas últimas cinco semanas anteriores, no mesmo local, for superior a 800 Escherichia coli por 100 mililitros ou 100 enterococos por 100 mililitros; ou quando, na última coleta, o resultado for superior a 2000 Escherichia coli por 100 mililitros ou 400 Enterococos por 100 mililitros.

Fique por dentro

Pontos impróprios
Praia da Ponta d’Areia
- Ao lado do Forte de Santo Antônio
- Atrás do Hotel Praia Mar
- Atrás do Bar do Dodô
- Em frente a Praça de Apoio ao Banhista
- Em frente ao Edifício Herbene Regadas
- Em frente ao Hotel Brisamar

Praia de São Marcos
- Em frente ao IPEM e ao Bar Kalamazoo
- Foz do Rio Calhau

Praia do Calhau
- Em frente ao Bar Malibu

Praia do Olho d’Água
- À direita da Elevatória Pimenta I
Pontos próprios
Praia de São Marcos
- Em frente aos bares Do Chef e Marlene’s
- Em frente a Barraca da Marcela
- Em frente ao Agrupamento Batalhão do Mar

Praia do Calhau
- À direita da elevatória II da CAEMA
- Em frente a Pousada Tambaú

Praia do Olho d’Água
- À direita da Elevatória Iemanjá II

Praia do Meio
- Em frente ao Bar do Piau
- Em frente ao Bar da Praia

Praia do Araçagi
- Em frente ao Fátima’s Bar
- Em frente ao Bar Novo Point
- Em frente ao Bar do Isaac

Posicionamento da Sema

Por meio de nota, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) informou que monitora e fiscaliza constantemente a balneabilidade da orla de São Luís e de São José de Ribamar, no sentido de prevenir o lançamento irregular de esgoto, bem como notificar eventuais irregularidades e que o governo do estado utiliza as normas do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) para classificar a qualidade da água das praias, sendo isso, portanto, sua principal ferramenta para combater e tentar reverter o quadro de impropriedade que tem se instalado persistentemente nas praias da capital, principalmente.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2018 - Todos os direitos reservados.