PROBLEMA

20 toneladas de lixo são recolhidas diariamente das praias de São Luís

Frequentadores e proprietários de estabelecimentos são os maiores produtores de lixo na orla da capital; coco e garrafas PET são os principais dejetos recolhidos

IGOR LINHARES / O ESTADO

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h29
Funcionários da Limpeza Urbana fazem o recolhimento de lixo na orla de São Luís; sujeira é constante
Funcionários da Limpeza Urbana fazem o recolhimento de lixo na orla de São Luís; sujeira é constante (lixo)

São retiradas diariamente, em média, 20 toneladas de lixo da orla de São Luís, de acordo com dados do Comitê Gestor de Limpeza Urbana de São Luís. O lixo recolhido da orla é gerado pelos estabelecimentos comerciais da região, bem como pelos dejetos deixados pelos frequentadores que têm lotado as praias, mesmo com a impropriedade em alguns pontos declarada pelo laudo de balneabilidade divulgado semanalmente.

Sobre a praia ser um ótimo lugar para a diversão, não há quem discorde. Mas uma outra realidade que deve ser acordada na orla de São Luís é que, como se não bastasse a condição imprópria para banho em alguns pontos, outra problemática ainda enfrentada é o descarte incorreto do lixo naquele espaço, o que contribui, diretamente, para um cenário negativo e de saúde pública, uma vez que os dejetos podem se juntar ao mar, o que já é um problema grave enfrentado pelos órgão de defesa e proteção do meio ambiente em todo o país.

Na capital, o resultado da falta de consciência, geralmente do próprio banhista – consumidor e dos proprietários de estabelecimentos em funcionamento no local, a exemplo dos bares e restaurantes ao longo da Avenida Litorânea, é o acúmulo de lixo e mau cheiro, que se proliferam em locais que possuem potencial para o turismo e natureza abundante.

A quantidade de lixo recolhido pelo Comitê Gestor de Limpeza nas praias de São Luís não é uma das maiores dentre outras cidades das cinco regiões do país, o que, entretanto, não deixa de refletir veementemente que os hábitos da população (frequentadores e proprietários de estabelecimentos) precisam ser revistos e mudados. Haja vista, uma maior quantidade só não é retirada porque os serviços de limpeza e consequente recolhimento dos dejetos são feitos diariamente nos turnos diurno e noturno, não fosse isso, certamente a quantidade seria mais do que o dobro.

Tipos de lixo
Na Grande Ilha, ainda segundo o Comitê Gestor de Limpeza Urbana, os principais dejetos encontrados e recolhidos são, sobretudo, coco e itens feitos de plástico, como garrafas PET.

Mas é sabido que, mesmo não sendo maioria, muitos outros tipos de dejetos como copos descartáveis, canudos, sacos e sacolas também são descartados irregularmente. Isto é, as lixeiras distribuídas pelos quilômetros da faixa litorânea de São Luís ficam apenas como enfeite, contribuindo para uma imagem que não reflete a realidade, ou seja, quase nunca o lixo é depositado onde deveria ser.

Ações realizadas
Na orla da cidade, a coleta é feita diariamente nos turnos diurno e noturno. A orientação é que tanto moradores quanto comerciantes façam o acondicionamento do seu resíduo de forma adequada, colocando-os em sacos plásticos bem fechados. No caso dos grandes geradores, que são os produtores de mais de 200 litros de resíduo sólido por dia, o Comitê
Gestor de Limpeza Urbana está realizando o cadastramento que segue os termos do Decreto Municipal nº 48.836/ 2017, que atende a determinações federais constantes na Política Nacional de Resíduos Sólidos - Lei Federal nº 12.305/2010.

Segundo o Decreto Municipal nº 48.836, de 2 de fevereiro de 2017, os titulares dos estabelecimentos enquadrados como grandes geradores de resíduos sólidos, bem como as empresas contratadas para a prestação de serviços de transporte aos grandes geradores e as empresas e entidades voltadas à prestação de serviços de triagem, reciclagem, comercialização, tratamento e disposição final de resíduos aos grandes geradores e transportadores ficam obrigados a realizar seu cadastramento junto ao Comitê Gestor de Limpeza Urbana.

O cadastramento dos transportadores e receptores serve não apenas para melhorar o controle do sistema de limpeza urbana, mas também para guiar os grandes geradores quando da contratação do serviço. Para realizar seu cadastramento o representante da empresa precisa comparecer à sede do Comitê Gestor de Limpeza Urbana com todos os documentos exigidos.

No Brasil
De acordo com os resultados de um monitoramento realizado desde de 2012 pelo Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (IO-USP), em parceria com o Instituto Socioambiental dos Plásticos (Plastivida), mais de 95% do lixo encontrado nas praias brasileiras é composto por itens de plástico, como garrafas, copos descartáveis, canudos, embalagens de sorvete e redes de pesca.

Estima-se que 80% deles tenham origem terrestre. Entre as causas disso estão a gestão inadequada do lixo urbano e as atividades econômicas (indústria, comércio e serviços), portuária e turismo. A população também tem parte da responsabilidade pelo problema, devido, principalmente, à destinação incorreta de seus resíduos que, muitas vezes, são lançados deliberadamente na rua e nos rios, gerando a chamada poluição difusa.

Os 20% restantes têm origem nos próprios oceanos, gerados pelas atividades pesqueiras, mergulho recreativo, pesca submarina e turismo, como os cruzeiros, por exemplo.

SAIBA MAIS

No ranking dos países mais poluidores dos mares, o Brasil ocupa a 16ª posição.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.