Cidades | Caos

Lixão à margem de avenida causa transtornos e perigo no Cohatrac IV

A grande quantidade de entulhos, na Avenida Joaquim Mochel, às margens da Reserva do Itapiracó, já atrapalha o fluxo de veículos, que são obrigados a transitarem na contramão da via, o que provoca perigos de acidentes para condutores e pedestres
Daniel Júnior / O Estado10/06/2018 às 00h00

Resíduos descartados irregularmente está se transformando em um lixão a céu aberto, em um trecho da Avenida Joaquim Mochel, no bairro do Cohatrac IV, em São Luís. A grande quantidade de entulhos, nas proximidades da Reserva do Itapiracó, já atrapalha o fluxo de veículos, que são obrigados a transitarem na contramão da via, o que provoca perigos de acidentes para condutores e pedestres.

Há lixo de todos os tipos. Sofás velhos, colchões, pneus, tábuas, resto de construção civil, papelão, sucatas de TVs e computadores, vidros e até animais mortos. Quem transita na região se depara com o mau odor gerado pelos entulhos, que, de acordo com populares são descartados por carroceiros e pela própria vizinhança. “Vejo direto carroceiros trazendo lixo e jogando aí. Também vem gente de outras áreas daqui do bairro e faz o mesmo. É muita falta de educação e consciência”, explicou o motorista Paulo César Lima Cerqueira.

O Estado flagrou o momento em que diversas pessoas jogavam lixo no local. Além disso, foi verificada intensa presença de carroceiros. “A Prefeitura deveria fazer a coleta desse lixo e colocar uma fiscalização, porque não adianta. Tem que penalizar. Coletam os entulhos algumas vezes, mas a população volta a jogar. Aqui perto tem empresas e um abrigo de crianças. Isso é um descaso com a saúde pública. É uma área que deve ser bem cuidada. Quando chove a situação só piora ainda mais,” ressaltou a empresária Renalzi Pinheiro.

O autônomo Robson Moraes de Oliveira esclarece que o carro do lixo só passa na região, quando os moradores se reúnem para reclamar. “O lixo só é recolhido aqui quando reclamamos. É complicado demais. Temos que conviver com esse mau odor e o transtorno para circular na via. Vem gente de todo lugar do Cohatrac e descarta entulho nessa região”, disparou Oliveira.

O carroceiro Edvaldo Correa Morroi disse que aproveita recolhe alguns tipos de lixo para vender. “Sempre encontro aí ferro velho, lenha, objetos de alumínio. Recolho tudo e vendo para ganhar um dinheiro”, revelou Morroi.

“O carro do lixo passa aqui, mas recolhem os lixos domésticos, os que estão na frente das casas. Mas esse entulho fica aí. Nós moradores que vivemos esse caos. Quando chove muito, a água empossada é muito suja, por causa desse lixão”, acrescentou Vilma Macedo Soares.

O lixo entulhado em vias urbanas oferece perigos a saúde. Além de atrair animais peçonhentos, como rato, cobra, escorpião, insetos, esses resíduos geram mau odor e entopem galerias.

Sobre a situação, o Comitê Gestor de Limpeza Urbana informou que a Avenida Joaquim Mochel é um ponto crônico de descarte irregular de resíduos sólidos na região do Cohatrac e que são realizadas ações frequentes de remoção manual e mecanizada para controlar o acúmulo de lixo e garantir a limpeza na localidade.

Por isso, o órgão pediu o apoio dos moradores da região para que façam o descarte dos resíduos e que os mesmos sejam acondicionados em sacos plásticos, na frente do seu respectivo domicílio, nos dias e turnos em que passa o caminhão de coleta, evitando o descarte nos demais dias da semana, o que causa o acúmulo de lixo nas vias públicas, atraindo animais e provocando mau-cheiro. A coleta no Cohatrac IV é feita às terças, quintas e sábados no período diurno.

O Comitê destacou ainda que está estudando um terreno na região onde possa ser construído um Ecoponto para fortalecer as políticas de limpeza urbana e acabar com os pontos de descarte irregular em toda a área.

Por fim, o Comitê ressaltou que reforçará o monitoramento na localidade, buscando identificar a origem de descargas irregulares e possíveis falhas na coleta. Denúncias ou reclamações podem ser realizadas através da Central de Atendimento: 0800 098 1636.

SAIBA MAIS:

Os lixos são classificados como:

Lixo orgânico: Sobras de comida, cascas de frutas e etc.
Papel: papelões, jornais, revistas etc.
Plástico: garrafas pet, borrachas, sacolas plásticas entre outros.
Metais: fios, chaves, latas, panelas entre outros.
Outros: tecidos, óleos em geral, resíduos informáticos, madeiras.
Lixos tóxicos: medicamentos, baterias, lixo radioativo, lapadas fluorescentes entre outros.

Medidas para diminuir esse impacto ambiental podem ser adotadas, tais como:

Selecionar os tipos de lixo doméstico facilitando para a reciclagem
Utilizar sacolas reutilizáveis em mercados
Evitar desperdícios de comida
Reduzir produtos descartáveis
Priorizar produtos com refil e granel

Fonte: Infoescola

Galeria de fotos

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte