A farsa da mentira

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h31

O título acima pode parecer redundância. Mas é a forma mais clara de descrever a prática corriqueira do governo Flávio Dino (PCdoB), que se utiliza do discurso da mentira para desqualificar fatos contra ele. E no episódio envolvendo a morte do médico Mariano de Castro e Silva, o próprio governador usou dessa prática, que se repete como farsa ao longo dos seus três anos de mandato.
Dino usou de suas redes sociais para dizer, sem papas na língua, sem o menor pudor, que “as cartas” do médico (assim mesmo, entre aspas) foram “inventadas” pela imprensa independente do Maranhão. O comunista sequer se importou em faltar com o respeito aos familiares e profissionais que acompanharam a vítima – que, aliás, foi apontada como operadora de um desvio de R$ 18 milhões em seu governo.
Ora, a carta-denúncia deixada por Mariano de Castro já foi autenticada pelas suas irmãs, em depoimento à polícia do Piauí, e por advogados, um deles José Carlos dos Santos, em entrevista a programas de rádio alugados pelo próprio Palácio dos Leões. Zé Carlos, como é conhecido, disse que recebeu o manuscrito do próprio Mariano e repassou ao cunhado deste, antes de apagar cópias digitalizadas que havia feito.
Já a outra carta, a de despedida, foi encontrada pela polícia ao lado do corpo do médico, com a presença de uma de suas irmãs, que já depôs. É, portanto, tão autêntica quanto a primeira. A menos que Dino entenda que foi criada por alguém. Mas neste caso, o governador estará levando um provável suicídio a suspeita de assassinato.

Moralmente incapaz
Tem uma coisa, pelo menos uma, que é totalmente certa, ao final das contas do nebuloso governo comunista.
O governador Flávio Dino, diante de tantos escândalos que mancham a sua gestão, tornou-se um comandante moralmente incapaz de criticar a corrupção em qualquer nível e em qualquer esfera de poder.
Isso é fato. E contra fatos não há argumentos.

Na parentela
Um suposto cunhado de Mariano de Castro passou a ser peça-chave na elucidação da polêmica envolvendo os apontamentos em que o médico delata a corrupção no governo Flávio Dino.
Esse cunhado – ainda sem nome conhecido – foi citado pelo advogado José Carlos dos Santos Sousa – em entrevista para explicar o caminho da carta até a imprensa.
Zé Carlos diz que este cunhado foi o último personagem a ter contato com a carta que abalou os alicerces do Palácio dos Leões e pode ter levado à morte do médico.

Ilustres desconhecidos
Os advogados José Carlos dos Santos e Jorge Arturo são protagonistas de uma curiosa falta de relação pessoal.
Apesar de serem advogados, atuar para a mesma banca e defender o mesmo cliente, ambos garantem por A mais B que não se conhecem.
E ambos negam ter vazado a carta que delatou o governo Flávio Dino.

Salada mista
O palanque presidencial furta-cor de Flávio Dino deve ser reeditado no Maranhão nas eleições de outubro.
Ele terá de abrir espaço para, pelo menos, seis candidatos a presidente da República.
O comunista terá que se desdobrar entre as candidaturas de Lula (PT), Manuela d’Ávila (PCdoB), Ciro Gomes (PDT), Joaquim Barbosa (PSB), Rodrigo Maia (DEM) e Aldo Rebello (Solidariedade).

Blablablá
Após desgaste por causa das truculentas blitze da CPRV, o governo Flávio Dino mudou o discurso em relação ao recolhimento de veículos por causa de IPVA atrasado.
Seu líder na Assembleia, Rogério Cafeteira (DEM), agora diz que o IPVA, de fato, não leva à apreensão do veículo.
Mas diz que isso ocorre por causa do atraso no pagamento do licenciamento e das taxas anuais cobradas dos proprietários de veículos automotores.
Truque maroto
Em seu novo discurso para justificar a indústria da multa de Flávio Dino, Cafeteira só esqueceu de revelar à população um truque maroto do sistema de arrecadação comunista.
A Sefaz vincula a liberação do documento do veículo ao pagamento do IPVA e não apenas ao pagamento das taxas e do licenciamento, o que é ilegal.
Ou seja, para ter a liberdade de ir e vir, o cidadão é obrigado a pagar um imposto que não deveria implicar em apreensão de seu bem.

DE OLHO

R$ 14 mil Foi o valor das diárias recebidas em tempo recorde pelo governador Flávio Dino quando de sua viagem pessoal aos Estados Unidos, há duas semanas

E MAIS

• A desembargadora do Tribunal de Justiça Ângela Salazar, merecidamente, em cerimônia concorrida, recebeu o título de Cidadã Ludovicense na Câmara Municipal, por iniciativa do vereador Josué Pinheiro (PSDB).

• O presidente da Câmara Municipal, Astro de Ogum, tem reforçado sua base de apoio para garantir mais um mandato na Casa.

• Perguntar não ofende: como Flávio Dino receberá Joaquim Barbosa em seu palanque se tem feito ataques duros ao Judiciário, ao juiz Sérgio Moro e ao STF?

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.