Cidades | Fontes podem secar

A água que não se vê e que pode se tornar inutilizável em três décadas

Além das fontes superficiais, reservas subterrâneas exigem proteção dos poderes públicos nos próximos anos e, em especial, na região metropolitana; vários fatores contribuem para a diminuição da capacidade de absorção
Thiago Bastos / O Estado24/03/2018

“Águas que movem moinhos. São as mesmas águas que encharcam o chão. E sempre voltam humildes pro fundo da terra”. O trecho da música “Planeta Água”, do cantor e compositor Guilherme Arantes, retrata o que seria o ciclo normal de extração de água no planeta, ou seja, o uso no ambiente externo e a volta para o subsolo. No entanto, devido a fatores relacionados à modernidade (desmatamento, ocupação indevida do solo urbano, descarte irregular de resíduos, entre outros), o ciclo natural sofre interferências e compromete as reservas que ficam armazenadas debaixo da terra, ou seja, as chamadas fontes subterrâneas. Assim como em outras partes do mundo, na Região Metropolitana de São Luís as fontes do subsolo estão, em sua maioria, comprometidas e - de acordo com pesquisas recentes - podem se tornar inutilizáveis em até 30 anos.

Para continuar aproveitando o conteúdo de O Estado faça seu login ou assine.

Já sou assinante

entrar

Ainda não sou assinante

assine agora

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte