Ação previsível

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h35

O ex-secretário Ricardo Murad entrou imediatamente na linha de tiro do governo comunista logo após anunciar-se interessado na disputa de 2018. Uma juíza denunciada por ele ao Conselho Nacional de Justiça decidiu julgá-lo no âmbito eleitoral e torná-lo inelegível. A ação dos comunistas - diretamente ou por intermédio de braços judiciais, policiais ou midiáticos - é sempre tão previsível que se se recusa até a acreditar que ela possa ser posta em prática.
E tem sido assim nos últimos três anos, desde que o comunismo tomou conta do Maranhão. O governador Flávio Dino e seus principais secretários usam toda a estrutura de que dispõem para perseguir, intimidar, constranger ou pressionar quem tenta fazer contraponto às suas ações.
O próprio Ricardo Murad já foi vítima deste aparelhamento da máquina pública. O ex-secretário chegou a ser constrangido a uma condução coercitiva para prestar esclarecimentos - embora o desejo do comunismo instalado no Palácio dos Leões fosse prendê-lo mesmo.
Flávio Dino tem instrumentos judiciais, policiais e midiáticos para criar um clima de estado de exceção no Maranhão. Já usou membros do Ministério Público, como o notório promotor José Roberto Ramos, contra a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB); usa de sua tropa-de- choque midiática constantemente contra o senador Roberto Rocha (PSDB) e atuou pessoalmente contra a ex-prefeita Maura Jorge (Podemos), coincidentemente todos pré-candidatos ao governo.
E pelo que se vê, o comunista não se fará de rogado em usar esse aparelhamento contra quem se atrever a enfrentá-lo politicamente.

Fruto do aparelho
Foi rápida e orquestrada a ação comunista contra o ex-secretário Ricardo Murad, que se anunciou candidato nas eleições de 2018.
Imediatamente após a decisão da juíza de Coroatá - desafeta pública de Murad - a notícia já ganhava destaque nos blogs controlados pelo Palácio dos Leões.
A juíza autora da decisão havia sido denunciada meses antes ao Conselho Nacional de Justiça.

Recursos
Embora a mídia palaciana tenha usado a decisão da juíza como definitiva para tornar Ricardo Murad inelegível, essa decisão ainda terá que transitar em julgado.
Murad tem direito a recursos na própria Zona Eleitoral, ao Tribunal Regional Eleitoral e ao Tribunal Superior Eleitoral.
Espanta no caso é a rapidez como o governo comunista ora inquilino do Palácio dos Leões usa seus braços em todas as instâncias para agir contra quem ameaça o seu poder.

Ideologia I
Agentes ligados à Associação de Ministros do Evangelho disseram ontem que o governador Flávio Dino desmarcou novo encontro com o embaixador de Israel, Yossi Sherlley.
No início da semana, o israelense foi recebido em Palácio por Marcelo Tavares, o que gerou críticas dos segmentos religiosos.
A assessoria do governo marcou nova data, mas, novamente, o governador desmarcou em cima da hora.

Ideologia II
Evangélicos ligados à ideologia judaico-cristã lembram que Flávio Dino recebeu, no início do ano, o embaixador do Irã, para quem mobilizou todo o seu staff.
O Irã, como se sabe, prega aberta e mundialmente o fim do estado de Israel.
No Portal Vermelho, vinculado ao PCdoB, partido de Flávio Dino, é possível ver manifestações de apoio a governos como os da Coreia do Norte, Irã e Palestina, todos inimigos de Israel.


Bate-boca
Os deputados federais João Marcelo Sousa (PMDB) e Zé Carlos da Caixa (PT) se recusam a comentar o episódio entre os dois, durante a votação da denúncia contra Michel Temer.
Os dois parlamentares maranhenses bateram boca em rede nacional de televisão no momento em que Marcelo iria revelar seu voto a favor de Temer.
Zé Carlos, como se sabe, votou pelo acatamento da denúncia contra o presidente.

Recuou
O deputado federal José Reinaldo Tavares (PSB) declarou, anteontem, que poderia disputar o Senado por outra chapa, se Flávio Dino não o quisesse em sua aliança.
Diante da repercussão do caso, recuou e declarou que vai acatar a decisão que o comunista tomar em relação ao Senado.
Para observadores políticos, as idas e vindas de Tavares revelam desorientação em relação ao processo eleitoral de 2018.

DE OLHO

R$ 46,4 milhões é quanto o governo Flávio Dino vai gastar com a Makete Construções e Terraplanagem, empresa de um filiado do PCdoB, em mais uma coincidência do governo comunista.

E MAIS

• A deputada federal Luana Costa não justificou publicamente o motivo de sua ausência na votação da denúncia contra o presidente Michel Temer.

• Circula nos bastidores políticos print de uma conversa do ex-prefeito Sebastião Madeira em que ele fala claramente ter sido enganado pelo governador Flávio Dino.

• O clima de perseguição política, judicial, midiática e patrimonial tem aumentado no Maranhão nos últimos tempos. Será por quê?

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.