Polícia | Buscas

Identificados os principais suspeitos pela morte do líder comunitário da Vila Funil

PMs realizam buscas na Vila Funil para prenderem "Dieguinho" e Pablo dos Santos; em abril deste ano, outro líder comunitário foi assassinado
Ismael Araújo/O Estado09/07/2016 às 11h20
Almir Silva dos Santos, de 46 anos. Foto: Divulgação.

Os integrantes do Grupo do Serviço Avançado (GSA) e do Serviço de Inteligência do 21º Batalhão da Polícia Militar estão realizando incursões na capital desde as primeiras horas deste sábado, 9, para prenderem Dieguinho e Pablo dos Santos, que são os principais suspeitos de terem assassinado o líder comunitário da Vila Funil, Almir Silva dos Santos, de 46 anos. A vítima foi executada a tiros, principalmente, na cabeça dentro de sua residência, localizada na Vila Funil, durante a noite da última sexta-feira.

O comandante do 21º Batalhão, major Prado Júnior, informou que os militares conseguiram identificar os acusados logo após algumas horas do fato e de imediato começaram a realizar buscas nesse bairro para efetuarem a prisão desses criminosos. Há informações que eles estão escondidos em uma área de matagal, na Vila Funil. “As guarnições realizaram um cerco por toda a localidade para que os acusados não possam fugir”, declarou o major.

Ainda segundo Prado Júnior, os suspeitos teriam invadido a casa da vítima onde realizaram a execução. O Líder comunitário levou vários tiros e morreu ainda no local. A motivação desse crime seria que Almir Santos estava lutando para construir uma ponte, que iria ligar a Vila Funil ao bairro do Tibirizinho. Para os criminosos, essa ponte iria facilitar a entrada de policiais na comunidade e dificultaria a realização das suas empreitadas criminosas.

O corpo da vitima foi removido para o Instituto Médico Legal (IML), no Bacanga, e após ser periciado liberado para os familiares. O velório está ocorrendo na residência da vítima e o sepultamento previsto para o período da tarde deste sábado.

Outra versão

Os moradores, que não se identificaram com receio de represálias, disseram que os criminosos cometeram esse crime pelo fato de terem ciência de que o líder comunitário estaria repassando informações sobre a onda de criminalidade dessa localidade para policiais.

Eles também declararam que na semana passada um policial militar, lotado no Batalhão Tiradentes, foi assaltado e levaram a sua motocicleta, de marca e placa não identificadas, e uma pistola. Até a manhã de sábado, 9, apenas a moto teria sido encontrado em uma área de mato, na Vila Funil.

Coroadinho

Almir Santos é o segundo líder comunitário assassinado durante este ano. No dia 13 de abril, o presidente da associação da área do Bom Jesus, José Conceição Pereira, Irmão do Coradinho, de 58 anos, foi executado dentro de sua residência, localizada no Morro do Zé Bombom, área do Coroadinho. A vítima foi sepultada no cemitério da cidade de Anajatuba e o fato está sendo investigado pela equipe da Superintendência de Homicídios e Proteção a Pessoas (SHHP).

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2018 - Todos os direitos reservados.