Negociação

Após pressão, Governo do Estado recua e pode regularizar situação de moradores da Vila Nestor

Manifestantes dizem que entrarão em confronto com a Polícia Militar mais uma vez caso acordo com o estado não seja cumprido
02/09/2015 às 14h01
Manifestação dos moradores da Vila Nestor hoje pela manhã na Beira-Mar, em São Luís (vila nestor)

Após pressão popular, o Governo do Estado resolveu receber para uma rodada de negociações os manifestantes da Vila Nestor que paralisaram, mais uma vez, o trânsito na Avenida Beira-mar, em São Luís. Eles pedem amparo do Governo do Estado para dar assistência às famílias que ocupam uma área localizada no município de Paço do Lumiar e que foi alvo de reintegração de posse no mês passado.

Os manifestantes foram recebidos Flávia Alexandrina, secretária de Cidades, e Francisco Gonçalves, secretário de Direitos Humanos. Na reunião, o acordo firmado foi de que todas famílias da Vila Nestor passaram com um recadastramento. Será analisada se as famílias estão, realmente, em situação de vulnerabilidade social. Caso seja constatada, os moradores deverão ficar, de maneira regular, no local, ou serão encaminhados para outra outro, onde receberão moradia adequada.

Confronto - Na manifestação de hoje, eles fecharam a Avenida Beira-Mar e chegaram a anunciar que hoje bloqueariam o trânsito em mais quatro pontos da capital. Com o acordo, os moradores desistiram da ideia, por enquanto. Porém, segundo Nestor da Silva, líder comunitário, se o Governo do Estado não cumprir o acordo, eles entrarão novamente em confronto com a polícia, como aconteceu no início do mês passado.

Na ocasião, policiais militares utilizaram bombas de gás lacrimogêneo e spray de pimenta para encerrar o protesto. Em vídeo publicado por O ESTADO, é possível ver um policial militar atirar uma bomba de gás lacrimogêneo na direção de uma mulher que carregava uma criança nos braços. Indefesos e distantes dos manifestantes os dois caem na faixa central da Avenida Beira-Mar. A criança do vídeo, junto com outra de apenas três meses, foi levada para o Hospital Djalma Marques (Socorrão I).

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte