(Divulgação)

COLUNA

Estado Maior
Notas sobre a política local, regional e nacional.
Estado Maior

Projeto com reajuste de servidores é uma surpresa ruim

Parcelamento do reajuste linear de 11% para a maioria das categorias deixou indignados funcionários públicos; a votação deve acontecer ainda hoje.

Ipolítica

- Atualizada em 01/11/2023 às 09h26
Governador Carlos Brandão anunciou reajuste aos servidores, mas não disse que seria parcelado até 2026
Governador Carlos Brandão anunciou reajuste aos servidores, mas não disse que seria parcelado até 2026 (Divulgação)

SÃO LUÍS - O sentimento no meio político e entre os funcionários públicos do Maranhão é somente um: decepção. O projeto de lei com o reajuste dos servidores ativos e inativos não chegou a Assembleia Legislativa como o governador Carlos Brandão (PSB) falou nas redes sociais, no dia do Servidor Público, 28 de outubro.

Brandão disse em tom animado sobre a novidade que deixou a maioria dos servidores surpreendidos: 11% de reajuste mais - para algumas categorias - promoções e titulações.

Mas a realidade é que este reajuste acontece somente em 2024 e será concluído em 2026. Em média, é menos de 4% ao ano para várias categorias.

Na classe política, os deputados e até alguns palacianos se disseram surpresos com o escalonamento do reajuste. Outros dizem que foi a saída do governo de atender as categorias pelos próximos três anos de governo sem que haja reclamações de reajuste salarial.

O problema é que as perdas apresentadas pelos servidores ao Palácio dos Leões dizem respeito aos últimos anos para serem resolvidos em 2023 e não até 2026. Mas o governo amarrou e a Assembleia Legislativa não deve modificar o texto da proposta.

No máximo, um ou dois deputados devem comentar a respeito, reclamar, mas no fim, irão votar o projeto.

A votação da matéria deve acontece ainda nesta quarta-feira. Um pedido de urgência está previsto e a apreciação logo em seguida. “Vão atropelar”, disse à coluna um parlamentar.

Insatisfação

Além da insatisfação por conta do parcelamento, existem categorias estão indignadas. 

É o caso dos policiais penais que se sentem injustiçados nesta tabela de  reajuste. Segundo a categoria, os policiais civis foram mais beneficiados. 

Os professores da Universidade Estadual do Maranhão (Uema) se mostram pouco satisfeitos. A categoria se reunirá na tarde desta quarta-feira, 1, para definir se mantém a greve ou finda a paralisação que já passou de um mês.

As opiniões, crenças e posicionamentos expostos em artigos e/ou textos de opinião não representam a posição do Imirante.com. A responsabilidade pelas publicações destes restringe-se aos respectivos autores.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram, TikTok e canal no Whatsapp. Curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.