Mísseis na Polônia

Ucrânia quer forçar guerra entre Rússia e OTAN, diz embaixador

Declaração de diplomata russo foi dada durante reunião do Conselho de Segurança da ONU

Ipolítica, com informação de The Interpreter

Crise dos mísseis envolvendo Polônia pode estar sendo usada para escalar conflito no leste europeu
Crise dos mísseis envolvendo Polônia pode estar sendo usada para escalar conflito no leste europeu (Sefa karacan/Agência Anadolu)

NOVA YORK - Segundo o embaixador russo, Vasili Nebenzia, Ucrânia e Polônia estão tentando escalar o conflito no leste europeu e forçar uma guerra entre Rússia e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). A declaração foi dada ontem no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU). “As declarações completamente irresponsáveis feitas pelos líderes desses dois países não podem ser interpretadas de outra forma”, disse.

Duas pessoas morreram na última terça-feira (15) após uma fazenda uma fazenda de grãos no vilarejo de Przewodów, que fica no leste do país, ser atingida por um míssil. Incialmente, acreditava-se que o projétil havia sido disparado pela Rússia. Contudo, a versão mais aceita atualmente é de que ele foi um erro do sistema antiaéreo da Ucrânia.

O embaixador russo criticou o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, que responsabilizou a Rússia pelo míssil e fez um apelo por uma resposta internacional contra Moscou. Segundo ele, as declarações de Zelensky não são apenas uma “tentativa de desinformação, mas uma tentativa consciente de envolver a Otan, que está travando uma guerra por procuração contra a Rússia na Ucrânia, em um conflito direto com nosso país”.

Vasili Nebenzia acusou os poloneses de serem “russofóbicos” por inicialmente culparem Moscou como responsável pela queda dos mísseis em território polonês, dizendo que eles só mudaram sua versão após o aparecimento das fotos “que não deixaram dúvidas de que foram os mísseis de defesa aérea ucraniana que cruzaram a (fronteira com a) Polônia”.

A reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a Ucrânia havia sido convocada antes do incidente. A maioria dos países responsabilizou a Rússia pelo incidente com a alegação de que o disparo só aconteceu por conta guerra desencadeada pelos russos. “Embora ainda não conheçamos todos os fatos, sabemos uma coisa: esta tragédia nunca teria acontecido sem a invasão da Ucrânia pela Rússia e seu recente ataque com mísseis contra a infraestrutura civil ucraniana”, disse a embaixadora dos EUA, Linda Thomas-Greenfield.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.