Latrocínio

Preso suspeito de participar do assassinato de subtenente da Polícia Militar do Maranhão

O PM Israel Silva Nonato Filho foi vítima de latrocínio no dia 16 de outubro deste ano, no bairro do Coroado, em São Luís; O homem preso é suspeito de estar pilotando a moto durante o crime.

Imirante.com

- Atualizada em 26/03/2022 às 18h46
O subtenente da Polícia Militar do Maranhão (PMMA) foi assassinado com um tiro quando estava em um lava a jato, situado na rua Potássio, no bairro do Coroado, na capital, por volta das 19h do dia 16 de outubro deste ano.
O subtenente da Polícia Militar do Maranhão (PMMA) foi assassinado com um tiro quando estava em um lava a jato, situado na rua Potássio, no bairro do Coroado, na capital, por volta das 19h do dia 16 de outubro deste ano. (Foto: Divulgação)

SÃO LUÍS – Foi preso, nesta segunda-feira (27), um suspeito de ter envolvimento direto no assassinato do policial Militar Israel Silva Nonato Filho, que foi vítima de latrocínio (roubo seguido de morte) no dia 16 de outubro deste ano, no bairro do Coroado, em São Luís.

O suspeito, que foi preso na região central de São Luís, foi identificado como Diego da Silva do Carmo, conhecido como “Mocozinho”. O homem é apontado como dono da motocicleta usada pelos criminosos no dia do latrocínio. A polícia acredita que Diego da Silva era quem pilotava a moto durante o crime.

“Nós chegamos na moto que ele é o proprietário. Ele disse que emprestou a moto, mas indícios nos levam a crer que ele era o piloto no dia da ação criminosa. Nós representamos pela prisão temporária dele e conseguimos prender ele no Centro. Ele negou envolvimento e disse que só emprestou a moto e agora irá falar apenas em juízo”, explica o delegado Marconi Matos, da Superintendência de Homicídios e de Proteção à Pessoas (SHPP).

Diego da Silva do Carmo, que é morador do bairro do São Francisco, já tem passagens pela polícia. Ele chegou a ficar quatro anos preso, por participar da onde de ataques a ônibus e delegacias no Maranhão, no fim de 2013 e início de 2014. Agora o suspeito será encaminhado ao Complexo Penitenciário de Pedrinhas.

A polícia investiga a morte do policial Militar Israel Silva como latrocínio, mas não descarta outras possibilidades. As investigações continuam sendo realizadas pelo Departamento de Proteção à Pessoa (DPP), da SHPP, para identificar os demais suspeitos de participar da ação criminosa.

“Nós acreditamos que haja envolvimento de mais três pessoas nesse caso, ou seja, de que quatro pessoas participaram do crime. Mas, de repente pode ter mais pessoas que colaboraram nesse evento criminoso. Nós temos certeza do envolvimento de mais três e estamos trabalhando incessantemente nesse caso, para darmos uma resposta mais célere. Já chegamos ao piloto e agora falta os demais”, firmou o delegado Marconi Matos.

Ouça a entrevista que o delegado Marconi Matos deu na Rádio Mirante AM, falando sobre o caso.

O crime

O subtenente da Polícia Militar do Maranhão (PMMA) foi assassinado com um tiro quando estava em um lava a jato, situado na rua Potássio, no bairro do Coroado, na capital, por volta das 19h do dia 16 de outubro deste ano. O PM foi identificado como Israel Silva Nonato Filho, que era lotado na Assembleia Legislativa do Maranhão.

Segundo a polícia, uma dupla chegou de moto ao local, e o garupa se dirigiu até o policial, efetuando contra ele um disparo de arma de fogo no olho esquerdo. A vítima foi levada ao Hospital Municipal Djalma Marques (Socorrão I), mas já chegou sem vida.

O criminoso ainda roubou um cordão e uma pulseira do PM. Por isso, a polícia passou a trabalhar com a hipótese de latrocínio. A pistola, o celular e a carteira do policial não foram levados.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.