Coluna

Clima quente

Governador Flávio Dino e o presidente da Assembleia Legislativa tiveram conversa mais quente sobre as eleições do próximo ano

Carla Lima/Editora de Política

- Atualizada em 26/03/2022 às 19h19
Flávio Dino e Othelino Neto tiveram conversa mais acalorada sobre posição do presidente da Assembleia em relação às eleições de 2022
Flávio Dino e Othelino Neto tiveram conversa mais acalorada sobre posição do presidente da Assembleia em relação às eleições de 2022 (Foto: Agência Assembleia)

O clima esquentou no interior do Maranhão no fim de semana durante evento oficial do governo do Maranhão. O motivo para a elevação da temperatura foi a disputa pelo Palácio dos Leões em 2022 e os atores do debate foram o governador Flávio Dino (PSB) e o presidente da Assembleia Legislativa, Othelino Neto (PCdoB).

Flávio Dino, claro, conversou com Othelino sobre as eleições do próximo ano e seu posicionamento para a disputa pelo Palácio dos Leões. O presidente da Assembleia reafirmou sua posição que vem mostrando desde 2020: o apoio do comunista é para o senador Weverton Rocha (PDT).

O governador não gostou - talvez - de ter a certeza de que o então aliado não acompanhará a ideia de que o indicado deva ser aquele que se adequar aos critérios estabelecidos em encontro no Palácio dos Leões de Flávio Dino com os presidentes estaduais dos partidos aliados e também outras lideranças, como o próprio Othelino.

A conversa de Flávio Dino com Othelino Neto pode ter resultados mais rápidos do que se previa. Mudanças no primeiro escalão da gestão estadual poderão ocorrer novamente logo no início de novembro.

Na lista para saída da gestão estadual estão os indicados do PDT (incluindo o Detran) e também os espaços do próprio Othelino.

Ao que tudo indica, a consolidação do racha na base do governador não vai mesmo esperar 2022 chegar.

Reunião

Enquanto o racha na base de Flávio Dino parece estar cada dia mais próximo, o plano B do governador para a disputa pelo Palácio dos Leões vai avançando.

Membros da direção nacional do PT, partido do secretário estadual de Educação, Felipe Camarão, sentaram à mesa com a direção estadual do PSB.

A conversa foi para pedir ao partido do governador Flávio Dino, e que é comandado pelo deputado federal Bira do Pindaré, que espere o próximo ano para anunciar sua decisão quanto ao pleito do próximo ano.

Força

Claro que o movimento é mais uma tentativa de parte da direção estadual petista de dar força para a pré-candidatura de Felipe Camarão.

Até porque os petistas e muitos dinistas querem forçar o máximo possível para ter Camarão com dois dígitos nas próximas pesquisas de intenção de votos para o governo do Maranhão.

Se o secretário de Educação avançar, segundo aliados palacianos, Flávio Dino mostrará para o seu vice, Carlos Brandão (PSDB), que o grupo ganhará mais com Felipe Camarão.

Tucano

O governador do Rio Grande do Sul e pré-candidato do PSDB à Presidência da República, Eduardo Leite, estará em São Luís no próximo dia 29.

Leite vai se reunir com o vice-governador e presidente estadual do ninho tucano no Maranhão, Carlos Brandão, e demais membros do PSDB maranhense. A ideia é conversar sobre as prévias tucanas para a escolha do candidato à presidente da República pelos tucanos.

Ainda não há confirmação de agenda do governador gaúcho com o governador Flávio Dino. A agenda está sendo organizada, mas a passagem de Eduardo Leite será meteórica pelo Maranhão.

Reunião do Pros

Estará no Maranhão também esta semana o presidente nacional do Pros, Eurípedes Júnior. Ele ficará em São Luís nos dias 28 e 29 deste mês.

Na prática, ele vem conversar com os pré-candidatos a deputados estadual e federal sobre as mudanças que deverão acontecer na legenda até o próximo ano.

Entre as mudanças, está a troca do comando estadual da sigla. Sairá o deputado federal Gastão Vieira e ficará na direção estadual o vereador de São Luís, Chico Carvalho.

Ainda em greve

O prefeito de São Luís, Eduardo Braide (Podemos), parece não ter convencido os empresários do serviço do transporte público que sua ideia de auxílio emergencial para passagens ajudará no setor.

Ele iniciou uma reunião às 10h de ontem e passou toda a tarde e parte do início da noite em reunião, para não conseguir encerrar a greve dos rodoviários na capital.

O reajuste proposto não é o que querem os motoristas e cobradores, e os empresários insistem no reajuste das tarifas.

De olho

6 dias de paralisação dos motoristas e cobradores do transporte público de São Luís. São mais de 700 mil usuários sem transporte público.

Subsídio

O auxílio proposto pelo prefeito Eduardo Braide, ao que tudo indica, não chegou perto do que os empresários dizem precisar. Ou seja, para evitar o reajuste das tarifas dos ônibus, somente com o subsídio.

A pressão no prefeito não é pouca. Em que pese a responsabilidade de empresários e rodoviários por todos os dias sem transporte público na cidade, quem autoriza a concessão pública tem o dever de comandar todo o processo.

Após cinco dias de paralisação, a população espera mais ação da Prefeitura para resolver o problema.

E mais

- Os empresários, segundo membros do Sindicato dos Rodoviários, avançaram nas conversas sobre benefícios com a Prefeitura de São Luís.

- No entanto, os donos das empresas do transporte público ofereceram somente 2% de reajuste aos motoristas e cobradores.

- A proposta, claro, foi recusada e a greve dos rodoviários deve avançar pela semana. Previsão é de que na quinta-feira, 28, nova rodada de negociação deva acontecer.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.