Estado Maior

É preciso conduzir

Prefeito Eduardo Braide tem sido cobrado para se manifestar sobre a greve dos trabalhadores do sistema de transporte público de São Luís.

Carla Lima/Editora de Política

- Atualizada em 26/03/2022 às 19h21
Rodoviários cruzaram os braços desde a quinta-feira, 22
Rodoviários cruzaram os braços desde a quinta-feira, 22 (Foto: Douglas Pinto/TV Mirante)

A Prefeitura de São Luís ainda não encontrou uma solução para fazer com que os ônibus voltem a circular. São mais de 700 mil usuários do sistema de transporte público que estão sem ter como se locomover para o trabalho ou escola, por exemplo.

Ao que tudo indica, a gestão de Eduardo Braide (Podemos) aguarda um acordo entre empresários e os rodoviários, que cruzaram os braços deste a última quinta-feira, 21. As duas categorias (empregadores e empregados) estão se reunindo com o Ministério Público do Trabalho (MPT) para definir sobre o reajuste salarial e outras melhorias para os rodoviários.

O problema é que o Sindicato dos Empresários do Transporte Público (SET) já disse que não há como conceder reajuste salarial se não houver aumento da tarifa do transporte público. E assim o impasse permanece e o prefeito Eduardo Braide assiste de longe a situação, apesar ser da Prefeitura a responsabilidade de garantir o transporte público para a população.

O máximo que a gestão municipal fez foi entrar com pedido de liminar na Justiça tentando impedir o direito constitucional dos trabalhadores que é paralisar as atividades para conseguir melhores condições de trabalho.

A Justiça concedeu o que pediu a Prefeitura que era garantir % da frota em circulação. Não adiantou porque a decisão judicial não foi cumprida.

E assim, a cidade de São Luís permanece sem transporte público e uma ameaça clara de que haverá reajuste do preço das passagens.

Em silêncio

Pelas redes sociais, antes da paralisação dos rodoviários, o prefeito Eduardo Braide postou declaração afirmando que não haverá aumento de passagem.

Já sobre a greve dos trabalhadores do sistema do transporte público, não há qualquer manifestação do prefeito.

Na noite da sexta-feira, 22, a gestão municipal se reuniu para tentar uma solução, mas não chegou a nenhum até momento.

Críticas

O silêncio do prefeito Eduardo Braide já virou alvo de crítica de opositores. O primeiro a se manifestar foi o deputado estadual Duarte Júnior (PSB).

Depois foi a vez do secretário estadual de Cidades, Márcio Jerry, a cobrar postura do prefeito Braide.

Os dois afirmaram que é obrigação da Prefeitura de São Luís conduzir o processo e garantir o transporte público para a população.

Aguardando

Os rodoviários e os empresários terão nova rodada, neste sábado, 23, de negociação para colocar fim na greve.

A mediação está sendo feita pelo Ministério Público do Trabalho. Mas ao que consta, esta negociação somente chegará ao fim após posição da Prefeitura de São Luís.

Os empresários aguardam que a gestão subsidie o sistema de transporte para garantir o reajuste dos trabalhadores. Ou é subsidiar ou reajuste tarifário.

Sem efeito

A direção estadual do PT chamou a direção estadual do PSB para debater uma possível aliança entre os dois partidos em 2022 no Maranhão.

É uma reunião que terá pouco ou quase nenhum efeito. Na verdade, o movimento dos dois partidos é para criar um fato político.

A direção nacional tanto do PT quanto do PSB é que tomarão a decisão sobre aliança no estado, logo, qualquer ação da direção estadual somente valerá se os “nacionais” concordarem.

Comemoração

O deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) comemorou nas redes sociais a anulação da decisão judicial que determinou buscar e apreensão em endereços ligados ao parlamentar.

A anulação veio de uma decisão do desembargador do Tribunal de Justiça do Maranhão, Antônio Bayma.

Ele entendeu que não é competência do juiz de primeiro grau decidir em ação que envolve um deputado, que tem foro privilegiado.

De olho

750 mil usuários do sistema de transporte público estão sem ônibus há três dias

Tranquilidade

A anulação da determinação de busca e apreensão não é o que mais chama atenção na decisão de Bayma.

O que merece atenção – e talvez o que Josimar de Maranhãozinho deve ter comemorado – foi o fato de a investigação feita pelo Ministério Público deve ser paralisada até que o TJ julgue o mérito da questão.

Na prática, Maranhãozinho passará um tempo sem se preocupar se será denunciado a Justiça por desvio de verba pública em diversas prefeituras do Maranhão.

E mais:

A greve dos rodoviários tem prejudicado mais de 70% da população de São Luís e os vereadores da capital estão completamente calados.

Mesmo aqueles que são da Comissão de Mobilidade Urbana não se manifestaram sobre a paralisação.

Somente o vereador Aldir Júnior (PL), que é membro da comissão, disse que é preciso discutir a qualidade do serviço de transporte público diante da possibilidade de aumento das tarifas.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.