Cheias de rios

Maranhão tem 12 municípios em situação de emergência e 1.178 famílias atingidas por enchentes

Outros cinco registraram danos, totalizando 27 municípios monitorados pela Defesa Civil.

Imirante.com, com informações do CBMMA

- Atualizada em 26/03/2022 às 18h37
Mirador é uma das cidades mais castigadas pelas chuvas e cheia do rio Itapecuru. Foto: Divulgação/CBMMA.
Mirador é uma das cidades mais castigadas pelas chuvas e cheia do rio Itapecuru. Foto: Divulgação/CBMMA.

MIRADOR - Sobe para 1.178 o número de famílias que se encontram desabrigadas ou desalojadas no Maranhão após as enchentes que atingiram algumas cidades, segundo o Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão (CBMMA).

Ao todo, 12 municípios já decretaram situação de emergência, são eles: Mirador, Grajaú, Barra do Corda, Jatobá, Paraibano, Formosa da Serra Negra, Imperatriz, Vila Nova dos Martírios, Fortuna, São Luís Gonzaga, Parnarama e Buriti Bravo.

Leia também:

Cerca de 100 novas famílias são desabrigadas pela enchente em Imperatriz

Rio Itapecuru baixa em Mirador, e rio Tocantins sobe em ITZ; mais de mil famílias sofrem com enchentes

"Tem muita chuva ainda para vir", alerta meteorologista diante da elevação do nível de rios no MA

Outros cinco municípios também já registraram danos causados pelas chuvas intensas e pelo aumento dos níveis dos rios. Ao todo 27 municípios estão sendo monitorados pela Defesa Civil.

Cestas básicas são levadas a famílias que vivem em povoados isolados. Foto: Divulgação/CBMMA
Cestas básicas são levadas a famílias que vivem em povoados isolados. Foto: Divulgação/CBMMA

O nível do Rio Itapecuru continua baixando, no município de Mirador, marcando 4,46m por volta das 06h30 desta sexta-feira (14), segundo o CBMMA. Desde domingo (9), o volume segue abaixo de 5m. Na zona urbana e rural da cidade, 34 casas desabaram, e 19 pontes tiveram danos.

Nas regiões mais afetadas, o CBMMA mantém equipes operacionais que auxiliam a retirada de famílias das áreas de risco. Militares também trabalham no auxílio humanitário às vítimas, com a entrega de alimentos, cestas básicas, água potável, colchões e o transporte de profissionais de saúde.

A operação é realizada com auxílio das prefeituras, Centro Tático Aéreo, Força Estadual de Segurança e Secretarias do governo do Estado.

Mais chuvas e prevenção

O vice-governador do Maranhão, Carlos Brandão, se reuniu, na quarta, com secretários e técnicos do governo para traçar um plano de prevenção contra chuvas no Estado. De acordo com os relatórios meteorológicos deste ano, o maior índice de chuvas deve ser registrado entre o fim de janeiro e início de fevereiro.

Os dados são do Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos (Imesc) e do Núcleo Geoambiental da Universidade Estadual do Maranhão (NuGeo/Uema). As estimativas dos relatórios apontam para um crescimento do volume de chuvas entre 20% e 80% acima das médias históricas.

Os dados deverão subsidiar ações de prevenção do governo a possíveis danos causados pelas chuvas, tanto em áreas rurais quanto urbanas. Em todos os municípios com alagamentos, as cheias dos rios estão sendo monitoradas, principalmente onde as gestões já puderam identificar riscos. Além disso, o governo informou que deverá formar um grupo de trabalho para tratar especificamente do planejamento de ações de prevenção e combate aos danos causados pelas chuvas.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.