Pódio olímpico

COI confirma medalha de bronze ao velocista maranhense Codó

José Carlos Moreira disputou o revezamento 4x100m pelo Brasil nas Olimpíadas de 2008.
Gustavo Arruda / Imirante Esporte07/12/2018 às 23h04
COI confirma medalha de bronze ao velocista maranhense CodóJosé Carlos Moreira, o Codó, foi homenageado no Troféu Mirante Esporte em 2017. (Paulo de Tarso Jr./Imirante Esporte)

RIO DE JANEIRO – O velocista maranhense José Carlos Gomes Moreira, o Codó, foi confirmado como medalhista de bronze no revezamento masculino 4x100m rasos dos Jogos Olímpicos de Pequim 2008, ao lado de Vicente Lenílson, Sandro Viana e Bruno Barros. Anunciada em janeiro de 2017, a desclassificação da equipe da Jamaica, composta por Usain Bolt, Nesta Carter, Michael Frater e Asafa Powell, foi comunicada oficialmente pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) ao Comitê Olímpico do Brasil (COB) nesta sexta-feira (7).

Leia também:

Com doping da Jamaica, velocista maranhense Codó conquista bronze olímpico

Medalhista olímpico, Codó recebe homenagem por bronze em 2008

Vencedores da prova, realizada no Estádio Ninho de Pássaro, os jamaicanos tiveram as suas medalhas retiradas após confirmação de doping do velocista Nesta Carter. Ao refazer os testes, o COI descobriu que a amostra do atleta apresentava a substância proibida Dimetilamilamina, um vasoconstritor que aumenta a capacidade pulmonar. Com a punição para a equipe da Jamaica, a medalha de ouro será repassada ao quarteto de Trinidad e Tobago (38s06), a prata fica com a equipe do Japão (38s15), e o Brasil, quarto colocado, herdará a medalha de bronze (38s24).

Em entrevista à Agência Brasil, o presidente do COB, Paulo Wanderley, lamentou a demora na decisão, mas considerou que a espera valeu a pena. “Parabéns aos atletas brasileiros que, justamente, receberão suas medalhas. Não é a situação ideal esperar tanto tempo, mas, no final das contas, o treinamento e esforço que fizeram será recompensado”, disse Wanderley.

As medalhas de bronze dos atletas do Brasil ainda estão de posse do Comitê Olímpico Internacional. A data para a entrega do prêmio e a definição de como será a cerimônia ainda serão definidas pelo COB e pelo quarteto brasileiro. Com as alterações, o Brasil chega a 17 medalhas conquistadas nos Jogos Olímpicos Pequim 2008, sendo três de ouro, quatro de prata e 10 de bronze.

Codó: “é um alívio”

Com a decisão do COI, Codó se tornou o segundo maranhense na história a subir em um pódio olímpico. Antes do velocista, a zagueira Tânia Maranhão faturou duas pratas no futebol feminino em Atenas-2004 e Pequim-2008. Em entrevista ao Imirante Esporte em janeiro de 2017, pouco depois da primeira decisão do Comitê, Codó lamentou a demora na confirmação da medalha, mas não escondeu a felicidade com a maior conquista de sua carreira.

“Não é um peso, é um alívio porque é o objetivo de todo atleta. O peso é quando você não conquista algo que você almeja. Então, o peso já foi tirado e agora vem a tranquilidade para você poder trabalhar pensando no futuro com a medalha no peito e guardada em casa. (Se tivesse conquistado a medalha em 2008) Muita coisa teria sido diferente, mas, infelizmente, não foi naquele momento e está sendo agora. Então é viver o agora, viver o momento que está sendo. É usufruir, o máximo possível, desta medalha que vem pra mim e para o povo maranhense”, disse Codó, agora medalhista olímpico.

*Com informações da Agência Brasil.

Leia outras notícias em ImiranteEsporte.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.