Emet Instituto

Emet Instituto conta com sistema exclusivo e confiável para realização de pesquisa eleitoral

Sistema VOX permite maior exatidão e segurança nos resultados.
Publipost / Emet Instituto21/05/2021 às 08h00
Emet Instituto conta com sistema exclusivo e confiável para realização de pesquisa eleitoralPara a pesquisa eleitoral, o Emet Instituto, desenvolveu um sistema digital, em que coletor de pesquisa envia os dados coletados por meio de dispositivos móveis. (Foto: Agência Brasil)

SÃO LUÍS – O Emet Instituto, uma das maiores empresas do país no setor, por meio da ciência, tem em sua cartela de serviços dois tipos de pesquisa eleitoral, a quantitativa e a qualitativa.

Para a pesquisa eleitoral, o Emet Instituto, desenvolveu um sistema digital, em que coletor de pesquisa envia os dados coletados por meio de dispositivos móveis, sem acesso ter acesso ao conteúdo da pesquisa. Todas as informações são enviadas diretamente para o servidor da empresa. O banco de dados é analisado e os dados processados e encriptados, ficando disponível em tempo real ao cliente pela internet. “Buscamos a exatidão nos detalhes, e oferecemos a máxima segurança e sigilo total.”, explica Fernando Bastos, diretor do Emet Instituto.

Além do melhor quadro técnico do mercado, o Emet Instituto conta com a estatística mais premiada do país por 100% de acerto em pesquisas, a doutoura Kalline Fabiana Marinho, e o sistema exclusivo chamado VOX, que é 100% a prova de fraudes.

As principais dúvidas quanto a uma pesquisa são:

1 - Será que foram mesmo fazer a pesquisa na minha cidade?
Com o sistema VOX os clientes do Emet Instituto sabem exatamente os locais e ruas por onde a equipe passou, em tempo real, via satélite.

2 - Será que o resultado é real?

Sem dúvida. A coleta é 100% feita por meio de dispositivos eletrônicos e não tem intervenção humana. Após a sua coleta, os dados coletados são enviados diretamente para o nosso servidor, o arquivo é criptografado e não pode ser alterado. O método é o único e é 100% a prova de fraudes.

3 - Será que é sigiloso?

Nem os próprios coletores do Emet Instituto têm acesso ao resultado, somente os clientes têm acesso em tempo real e a estatística têm acesso ao resultado final da pesquisa para gerar relatório de conclusão. Todos os nossos funcionários assinam termo de confidencialidade e jamais podem comentar sobre qualquer aspecto da pesquisa. Nada analisado ou coletado pode ser divulgado sem autorização dos clientes. “Nossos sistemas de segurança e certificações externas garantem a integridade e inviolabilidade dos coletados.”, diz Fernando Bastos.

Os padrões de ética e diretrizes de confidencialidade seguidos pelo Emet Instituto são regulamentados pela Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (Abep), pela European Society for Opinion and Market Research (Esomar) e pelo Conselho Federal de Estatística.

Quando usar pesquisa qualitativa ou quantitativa?

A pesquisa quantitativa é comumente utilizada na coleta de grandes quantidades de dados, extraídos de um grande número de pessoas, sendo coletadas e analisadas. Então ela é uma boa opção quando se busca trabalhar com pesquisa de grande escala. Por outro lado, na pesquisa qualitativa é possível extrair dados mais subjetivos, com perguntas abertas, permitindo conhecer mais sobre o indivíduo. Ela é mais utilizada com pequenas amostragens, e muitas vezes abre novas opções e ideias, que não se conseguiria com uma pesquisa quantitativa, pela sua natureza fechada. Porém, a realização de pesquisa qualitativa com grande quantidade de dados não é impossível, apenas demanda mais tempo e equipe envolvida.

Exemplos de pesquisas quantitativas e qualitativas

Pesquisas qualitativas são usadas para estudar casos específicos e descobrir como as pessoas pensam ou se sentem de forma mais detalhada. Elas também podem ser utilizadas para explorar determinado assunto que ainda não se tem conhecimento, como no caso de uma empresa que precisa saber como está sua imagem no mercado. Já as pesquisas quantitativas são utilizadas para estudar as tendências em grandes grupos, ou medir dados de sociedades, como no caso de pesquisas de intenção de votos ou do Censo.

Como é feita uma pesquisa?

Primeiro, os pesquisadores definem uma amostra que seja representativa do grupo a ser pesquisado, usando dados públicos. O objetivo é escolher um número limitado de pessoas, cujas características sejam parecidas com a do grupo maior que se queira pesquisar (que os estatísticos chamam de universo). Para que a pesquisa esteja correta, a amostra precisa corresponder ao universo dentro de alguns critérios (escolaridade, idade, gênero, etc). Esses critérios são chamados de variáveis.

Enquete não é pesquisa

As pesquisas são cientificamente criadas para fazer com que as respostas sejam dadas por pessoas que “representem” o todo do grupo que se quer conhecer - em uma pesquisa eleitoral para presidente, este "todo" é o universo dos eleitores brasileiros. Já as enquetes de um site ou página não têm nenhum controle de quem vai responder às perguntas - por isso, podem acabar "ouvindo" de forma desproporcional pessoas de uma determinada classe social, faixa de escolaridade, profissão ou até inclinação política. Os resultados estarão, portanto, distorcidos. "Podemos destacar, por exemplo, a limitação que ocorre pelo próprio público, uma vez que parte da população não tem internet, sequer sabe ler ou escrever.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.